21 de janeiro de 2022
solar
No Brasil Hoje

Potencia GC SolarGC 4.63GW

No Brasil Hoje

Potencia GD SolarGD 8,80GW

Tarifa branca: conceitos e especificações na medição de energia elétrica

Modalidade tarifária foi criada pela ANEEL para aliviar o consumo de eletricidade no horário da ponta

Autor: 9 de setembro de 2021novembro 9th, 2021Artigos técnicos
Tarifa branca: conceitos e especificações na medição de energia elétrica

A tarifa branca é uma modalidade tarifária para os consumidores em baixa tensão, denominados grupo B, na qual estão, por exemplo, as residências e pequenos comércios. 

Ela foi criada pela Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) para aliviar o consumo de energia elétrica no horário da ponta, fazendo com que a carga do sistema elétrico fosse deslocada durante o dia.

Antes da criação desta modalidade havia apenas uma tarifa para o grupo B, chamada tarifa convencional. Independentemente do horário do dia, o custo da energia elétrica era o mesmo. Este é o grande diferencial da tarifa branca: dependendo do horário, o custo da energia elétrica será mais barato ou mais caro do que na cobrança convencional. 

Se o consumidor conseguir utilizar os equipamentos que consomem mais energia elétrica no horário fora da ponta, poderá ter alguma economia no final do mês. Mas, caso resolva aderir à tarifa branca e continue com os mesmos hábitos, provavelmente sua conta de energia elétrica será maior do que com a tarifa convencional. Portanto, é necessária uma avaliação antes da adesão.

Os consumidores que aderirem à tarifa branca possuirão três valores de tarifas diferentes durante os dias úteis:

  1. Ponta: tarifa mais elevada;
  2. Intermediário: tarifa com pequeno acréscimo em relação à convencional;
  3. Fora da ponta: tarifa de menor valor.

Há um quarto posto tarifário, chamado de período reservado, que é aplicado somente para os consumidores da subclasse rural irrigante ou agricultura. Para todos os modelos tarifários, os finais de semana e feriados nacionais são considerados fora da ponta. Cada distribuidora de energia elétrica define os horários de início e fim dos postos tarifários conforme suas necessidades. 

A Tabela 1 apresenta os horários da tarifa branca das distribuidoras que forneceram mais de 10.000.000 MWh no ano de 2020. As demais são possíveis de serem encontradas no site da ANEEL. 

Tabela 1 – Horários dos postos tarifários de diferentes distribuidoras

Distribuidora

Intermediário 1

Horário Ponta

Intermediário 2

Amazonas Energia

19:00 – 20:00

20:00 – 23:00

23:00 – 0:00

Celesc-D

17:30 – 18:30

18:30 – 21:30

21:30 – 22:30

Equatorial PA

17:30 – 18:30

18:30 – 21:30

21:30 – 22:30

Celpe

16:30 – 17:30

17:30 – 20:30

20:30 – 21:30

Cemig-D

16:00 – 17:00

17:00 – 20:00

20:00 – 21:00

Coelba

16:00 – 18:00

18:00 – 21:00

– 

Copel-DIS

17:00 – 18:00

18:00 – 21:00

21:00 – 22:00

CPFL Paulista

16:00 – 18:00

18:00 – 21:00

21:00 – 22:00

CPFL Piratininga

17:00 – 18:00

18:00 – 21:00

21:00 – 22:00

EDP ES

17:00 – 18:00

18:00 – 21:00

21:00 – 22:00

EDP SP

16:30 – 17:30

17:30 – 20:30

20:30 – 21:30

Elektro

16:30 – 17:30

17:30 – 20:30

20:30 – 21:30

Energisa MT

15:30 – 17:30

17:30 – 20:30

20:30 – 21:30

ENEL CE

16:30 – 17:30

17:30 – 20:30

20:30 – 21:30

ENEL GO

16:00 – 18:00

18:00 – 21:00

21:00 – 22:00

ENEL RJ

16:00 – 18:00

18:00 – 21:00

21:00 – 22:00

ENEL SP

16:30 – 17:30

17:30 – 20:30

20:30 – 21:30

Light

– 

17:30 – 20:30

20:30 – 22:30

RGE

16:00 – 18:00

18:00 – 21:00

21:00 – 22:00

A Tabela 2 apresenta os custos da energia elétrica convencional e da tarifa branca dessas distribuidoras, sendo possível compará-las e avaliar se a adesão será vantajosa.

Tabela 2 – Valores dos postos tarifários de diferentes distribuidoras

Distribuidora

Tarifa Convencional [R$/kWh]

Tarifa Branca [R$/kWh]

Ponta

Intermediária

Fora Ponta

Amazonas Energia

0,693

1,356

0,892

0,587

Celesc-D

0,506

0,884

0,576

0,430

Equatorial PA

0,766

1,752

1,111

0,598

Celpe

0,619

1,308

0,833

0,522

Cemig-D

0,618

1,170

0,765

0,509

Coelba

0,620

1,392

0,874

0,491

Copel-DIS

0,559

1,000

0,656

0,474

CPFL Paulista

0,596

1,026

0,672

0,490

CPFL Piratininga

0,534

0,933

0,606

0,441

EDP ES

0,611

1,150

0,739

0,498

EDP SP

0,546

0,955

0,623

0,437

Elektro

0,555

1,063

0,688

0,460

Energisa MT

0,684

1,399

0,901

0,562

ENEL CE

0,589

1,268

0,802

0,488

ENEL GO

0,547

1,001

0,651

0,449

ENEL RJ

0,714

1,333

0,880

0,571

ENEL SP

0,594

1,115

0,724

0,499

Light

0,694

1,268

0,854

0,612

RGE

0,643

1,164

0,752

0,507

 

A escolha pela tarifa branca fará com que a distribuidora troque o medidor de energia elétrica por um modelo eletrônico de múltipla tarifação, caso este consumidor ainda não o possua. Assim, dependendo do horário do dia, a energia elétrica será incrementada no posto tarifário desejado. 

A seguir constam os códigos padrão conforme a ABNT NBR 14522, os quais serão apresentados no mostrador dos medidores de energia elétrica, conforme Figura 1.

  • Código 03: Energia ativa direta total;
  • Código 04: Energia ativa direta na ponta;
  • Código 06: Energia ativa direta intermediária;
  • Código 08: Energia ativa direta fora da ponta.
Figura 1 – Exemplo do mostrador de um medidor de energia elétrica de múltipla tarifação

Figura 1 – Exemplo do mostrador de um medidor de energia elétrica de múltipla tarifação

Os medidores de energia elétrica de múltipla tarifação passam por testes adicionais àqueles mencionados pelo Anexo A (Ensaios de apreciação técnica de modelo) da Portaria INMETRO nº 587 de 2012, os quais são requisitos mínimos para um modelo ser comercializado. 

Os modelos que serão utilizados na tarifa branca devem estar de acordo também com os ensaios prescritos pela Portaria INMETRO nº 520 de 2014. O que se pretende verificar, neste caso, é a garantia de que a base de tempo do medidor possui os requisitos mínimos para ser comercializado.  

Os modelos de múltipla tarifação diferenciam-se dos demais devido à precisão do seu relógio através da base de tempo. Em condições normais, eles podem errar no máximo 5,78 µs/s, isto é, 1/2 segundo a cada 24 horas. 

Para realizar os testes em modelos de múltipla tarifação é necessário colocá-los em “modo relógio”. Esta operação, na grande maioria das vezes, é realizada através de comando via software fornecido pelo fabricante. Este modo faz com que o medidor apresente em seu mostrador apenas o código 02 (hora atual) e emita pulsos periódicos de sincronismo, óptico ou elétrico, devendo ser menor do que 5 minutos. 

Com este pulso é possível sincronizá-lo e compará-lo a uma base de tempo padrão, sendo este no mínimo 10 vezes melhor que a exatidão da base de tempo do medidor. Este procedimento não está liberado para os usuários, apenas para quem realiza a aprovação técnica de modelo, que são o próprio INMETRO ou os laboratórios acreditados. 

Observações

  1. A tarifa branca não se aplica a consumidores residenciais classificados como baixa renda, beneficiários de descontos previstos em lei, e à iluminação pública;
  2. Os valores da tarifa branca (Tabela 2) são os custos da energia elétrica sem os impostos;
  3. Os dados das tabelas 1 e 2 foram coletados em 16/08/2021.

Fontes 

  1. https://www.aneel.gov.br/tarifa-branca
  2. Portaria Inmetro nº 587, de 05 de novembro de 2012
  3. Portaria Inmetro nº 520, de 28 de novembro de 2014

 

Foto de capa: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

José Teodoro

José Teodoro

Comentar

*Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Canal Solar.
É proibida a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes e direitos de terceiros.
O Canal Solar reserva-se o direito de vetar comentários ofensivos, inadequados ou incompatíveis com os assuntos abordados nesta matéria.