Tecnologia promete revolução no setor de energia elétrica brasileiro

Olhar para o futuro com uma perspectiva voltada para a tecnologia e inovação. Com este objetivo, a Cemig desenvolveu um projeto de P&D (Pesquisa e Desenvolvimento) chamado Prospecção tecnológica no setor de energia elétrica.

O projeto foi concebido na Apine (Associação de Produtores Independentes de Energia Elétrica) e congregou grandes players em torno do desenvolvimento de uma visão de futuro para o setor elétrico brasileiro.

“É consenso entre os especialistas que, para que esses objetivos sejam alcançados, são fundamentais o investimento em desenvolvimento tecnológico e o fomento à cultura inovadora”, disse Cláudio Homero, engenheiro de tecnologia e inovação e representante técnico da Cemig no projeto.

“Pela abrangência e profundidade, pode-se, inclusive, afirmar que se trata de um dos mais complexos e completos painéis de pesquisa produzidos no mundo, dedicados a um segmento específico”, destacou Homero. 

De acordo com a Cemig, os principais objetivos foram desenvolver o diagnóstico atual da CTI (ciência, tecnologia e inovação) em cinco grandes temáticas: geração, transmissão, distribuição, eficiência energética e assuntos sistêmicos; fazer a investigação de tendências e a construção de visão de futuro com estratégia macro e de CTI até 2035; elaborar roadmap por grupo e agenda de ações de CTI em curto, médio e longo prazos; além de propor a consolidação dos produtos e validação junto a atores-chave no setor elétrico. 

Homero ainda destacou que o trabalho de prospecção tecnológica contribui para o aumento do sucesso de projetos de pesquisa e desenvolvimento no âmbito do programa de P&D ANEEL, que visam justamente melhorar o atendimento à população pelas empresas do setor, em termos de disponibilidade e qualidade da energia, redução de custos, sustentabilidade inclusão, por exemplo.

Para Ceres Cavalcanti, coordenadora do projeto, o estudo desenvolveu algumas ferramentas importantes para atingir seus resultados. “Uma delas é a calculadora para ajudar a estimar a maturidade tecnológica. Essa ferramenta ajuda a identificar temas, linhas e rotas de pesquisa, portadores de futuro e também aquelas mais promissoras em cada temática, assim como a evolução temporal das tecnologias”, explicou Ceres.

“As opções de desenvolvimento passam pelo incentivo à competitividade setorial, identificação de áreas prioritárias, construção de trajetórias tecnológicas, formulação de um plano estratégico e fomento às tecnologias nacionais”, acrescentou a especialista.

O investimento total do projeto foi de R$ 8,9 milhões, tendo a Cemig participado com 9,09% do financiamento.

{loadmoduleid 340}

{loadmoduleid 343}

{rfbcomment}100%{end-rfbcomment}

Imagem de Mateus Badra
Mateus Badra
Jornalista graduado pela PUC-Campinas. Atuou como produtor, repórter e apresentador na TV Bandeirantes e no Metro Jornal. Acompanha o setor elétrico brasileiro desde 2020.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias Relacionadas

Receba as últimas notícias

Assine nosso boletim informativo semanal