23 de abril de 2024
solar
No Brasil Hoje

Potencia GC SolarGC 13,4GW

No Brasil Hoje

Potencia GD SolarGD 28,6GW

Tendências do cenário global em ESG para 2023

CEO da Humanizadas elenca os 12 principais pontos mapeados, a partir de uma análise de 21 artigos e relatórios globais

Autor: 17 de fevereiro de 2023Indicadores
4 minutos de leitura
Tendências do cenário global em ESG para 2023

Renováveis devem cobrir quase toda a alta da demanda de energia até 2025, aponta IEA. Foto: Freepik

Os últimos anos mudaram a maneira como o mundo enxerga a sustentabilidade e as mudanças climáticas. Porém, nesse período de pós-pandemia, também ganhou notoriedade na mídia o movimento “anti-ESG” nos EUA, junto com as interrupções globais da cadeia de suprimentos, riscos de segurança energética, crises econômicas e redução de investimentos.

É o que afirmou Pedro Paro, fundador e CEO da Humanizadas, primeira empresa brasileira de avaliação multistakeholder em ESG orientada à inteligência de dados. Na visão dele, parece que os ânimos por novas direções reduziram – “o que não significa que estamos passando por um retrocesso na agenda, mas sim, lapidando processos”.

Com essa perspectiva em mente, o executivo analisou as principais tendências desse mercado para 2023, a partir de uma análise de 21 artigos e relatórios globais, publicados entre dezembro e janeiro deste ano.

Nesse estudo, foram identificadas 36 tendências citadas, desde o possível crescimento do movimento anti-ESG até o fortalecimento dos padrões e regulamentações, com 4,8% e 71,4% de citações, respectivamente.

Na perspectiva global, existem mais empresas e especialistas preocupados com a melhoria na regulamentação, do que em retroceder com a agenda de sustentabilidade.

O gráfico a seguir ilustra os 12 principais pontos mapeados (de um total de 36 temas identificados), avaliando uma perspectiva global sobre ESG.

Análise do gráfico

A partir dos dados coletados, Paro afirmou que é possível observar o fortalecimento dos padrões e regulamentações (71,4%). “Esse movimento se deve em parte às empresas do Reino Unido, que parecem tomar as rédeas desse debate”.

“No ano passado, foi elaborado o primeiro rascunho de uma nova estrutura de divulgação para os próximos relatórios climáticos obrigatórios e isso deve dar um norte para cada região construir seus próprios modelos de metas conscientes”, apontou.

Com todas essas regulações e as autoridades públicas pressionando por mudanças, o que se espera, de acordo com ele, é que haja um maior investimento no setor no decorrer de 2023. “Inclusive, podemos observar essa tendência através das perspectivas que o próprio mercado tem”.

Um exemplo disso é o “Relatório ESG Radar 2023”, publicado recentemente pela Infosys, empresa de consultoria e serviços digitais. O documento traz uma expectativa de que os investimentos em ESG nas organizações devam chegar a US$ 53 trilhões até o ano de 2025, ou seja, um terço dos ativos globais sob gestão.

“Sob esse aspecto, um ponto cego que identificamos na análise de tendências em ESG é a ausência de temas relacionados à educação corporativa, o desenvolvimento de lideranças na agenda e a formação de uma cultura organizacional orientada à sustentabilidade”, relatou o especialista.

“Enquanto as organizações não tiverem uma liderança e uma cultura capazes de impulsionar e sustentar a agenda ESG, a tendência é convivermos com casos de greenwashing, e não conseguirmos atingir os resultados que almejamos enquanto negócios e humanidade”, ressaltou.

“De qualquer forma, as análises indicam que o ESG está de fato ganhando forma no mundo corporativo, com empresas cada vez mais engajadas em soluções ambientais e sociais, sendo algo enraizador não apenas nas corporações como também no governo e na sociedade como um todo”, concluiu o CEO e Fundador da Humanizadas.

Mais sobre o autor

Pedro Paro é também pesquisador da Universidade de São Paulo e quer mudar o sistema combatendo o greenwashing por meio da criação do primeiro rating ESG do Brasil. Além disso, é estudioso do Grupo de Gestão de Mudanças e Inovação da USP, membro do World Economic Forum e já desenvolveu trabalhos com mais de 400 organizações.

Mateus Badra

Mateus Badra

Jornalista graduado pela PUC-Campinas. Atuou como produtor, repórter e apresentador na TV Bandeirantes e no Metro Jornal. Acompanha o setor elétrico brasileiro desde 2020. Atualmente, é Analista de Comunicação Sênior do Canal Solar e possui experiência na cobertura de eventos internacionais.

Comentar

*Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Canal Solar.
É proibida a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes e direitos de terceiros.
O Canal Solar reserva-se o direito de vetar comentários preconceituosos, ofensivos, inadequados ou incompatíveis com os assuntos abordados nesta matéria.