19 de abril de 2024
solar
No Brasil Hoje

Potencia GC SolarGC 13,4GW

No Brasil Hoje

Potencia GD SolarGD 28,5GW

Aliança Solar se reúne com distribuidoras do Rio Grande do Sul 

Encontro teve como objetivo buscar soluções para os problemas relacionados à reprovação dos pedidos de conexão para projetos de GD

Autor: 27 de outubro de 2023outubro 30th, 2023Setor Elétrico
4 minutos de leitura
Aliança Solar se reúne com distribuidoras do Rio Grande do Sul 

Encontro com distribuidoras de energia elétrica ocorreu na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul. Foto: ALRS/Reprodução

A Aliança Solar, unidade formada a partir da união de interesses entre o MSL (Movimento Solar Livre) e o INEL (Instituto Nacional de Energia Limpa), se reuniu com representantes das principais distribuidoras de energia elétrica do Rio Grande do Sul, na Assembleia Legislativa do Estado, nesta quarta-feira (25).  

O encontro teve como principal objetivo buscar uma solução para os problemas relacionados à reprovação dos pedidos de conexão para projetos de micro e minigeração distribuída por parte das companhias gaúchas de distribuição. 

No entendimento da Aliança Solar, as distribuidoras locais – como a RGE do Grupo CPFL Energia, por exemplo – não vêm utilizando corretamente em seus fundamentos o Artigo 73 da Resolução Normativa 1.059/2023, que, em fevereiro deste ano, alterou a REN 1.000/2021 da ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica). 

Tanto o MSL quanto o INEL consideram que os fundamentos das reprovações emitidas pelas concessionárias não respeitam, sobretudo, o inciso I da nova legislação, que prevê uma “avaliação do grau de perturbação das instalações do consumidor e demais usuários em seu sistema de distribuição”.

Por esse motivo, a Aliança Solar propôs algumas contribuições em defesa dos consumidores do Rio Grande do Sul. “O que nós pedimos é que a Assembleia do Rio Grande do Sul faça, por meio de requerimento, o pedido para as concessionárias de energia se expliquem o porquê não estão cumprindo o inciso 1 do Artigo 73”, explicou Hewerton Martins, presidente e fundador do MSL. 

No documento encaminhado à Assembleia, a Aliança Solar pede:   

  • Que seja expedido ofício às concessionárias de serviços públicos de energia elétrica no Estado do Rio Grande do Sul para que expliquem à Assembleia Legislativa os motivos técnicos das reprovações por fluxo inverso, com fundamento exigido pela norma federal que rege a matéria. No caso, o Artigo 73 e seguintes da REN 1.059/2023;
  • Que as concessionárias de energia elétrica do Estado, comprovem a emissão dos estudos prévios de perturbação das instalações do consumidor em seu sistema de distribuição para fins de posterior aplicação do parágrafo 1º. que trata da inversão de fluxo;
  • Deverão utilizar o art. 73 da REN 1000/21 e o art. 104 e seguintes da mesma resolução, visando ofertar OPÇÕES VIÁVEIS ao integrador/consumidor, descartando as seguintes “soluções”: LIGAÇÃO NO PERÍODO NOTURNO – das 19:00h às 05:00h e custos das obras pelo consumidor.

Além disso, a Aliança Solar destaca no documento que as distribuidoras de energia elétrica, após demonstradas as perturbações que a nova conexão provocaria no sistema elétrico, produzam seus pareceres da seguinte maneira: 

  • Assinados por engenheiro eletricista, com emissão da respectiva ART (Anotação de Responsabilidade Técnica);
  • Emitidos da mesma forma dos memoriais descritivos que são cobrados dos integradores para a solicitação de acesso à rede da distribuidora de energia; 
  • Deverão conter os dados da Subestação na qual está vinculado o alimentador, com tensão primária (AT), tensão secundária (MT), correntes de carga do alimentador (carga máxima e mínima), em amperes (A), transformadores de distribuição conectados no alimentador (por potência em kVA), a distância de cada um até a referida Subestação, e a distância desta subestação até o ponto do transformador no qual está sendo solicitada a conexão; 
  • Deverão informar o nível de curto-circuito (em MVA ou em Ampére) da subestação e no primário do transformador de distribuição que atenderá a conexão (em MVA ou em Ampére) ou no caso de minigeração no primário do ponto de conexão; 
  • Conterão croqui básico (diagrama unifilar) da subestação, do alimentador até o local onde está sendo solicitada a conexão, objeto da reprova.

Outro documento

Além de formalizar este documento para a Assembleia Legislativa do Estado, a Aliança Solar também informou que vai encaminhar na próxima segunda-feira à Casa Legislativa, um segundo documento. 

Trata-se de uma proposta formal para resolução dos problemas relacionados aos projetos com potência de até 1 MW. “Nós faremos uma preposição para microgeração e minigeração e será entregue na assembleia legislativa na próxima segunda-feira”, comentou Martins.

“Vamos pedir para que não se reprove nenhum projeto até 1 MW. Eventualmente, se houver uma reprova, que sejam cumpridas as premissas colocadas no primeiro documento (o que foi entregue, nesta semana, à Assembleia Legislativa)”, ressaltou o presidente e fundador do MSL. 

Henrique Hein

Henrique Hein

Jornalista graduado pela PUC-Campinas. Atuou como repórter do Jornal Correio Popular e da Rádio Trianon. Acompanha o setor elétrico brasileiro pelo Canal Solar desde fevereiro de 2021, possuindo experiência na mediação de lives e na produção de reportagens e conteúdos audiovisuais.

Comentar

*Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Canal Solar.
É proibida a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes e direitos de terceiros.
O Canal Solar reserva-se o direito de vetar comentários preconceituosos, ofensivos, inadequados ou incompatíveis com os assuntos abordados nesta matéria.