21 de abril de 2024
solar
No Brasil Hoje

Potencia GC SolarGC 13,4GW

No Brasil Hoje

Potencia GD SolarGD 28,5GW

Brasil teve maior queda do mundo em emissões do setor elétrico em 2022

Relatório da Ember destaca ainda que a solar e eólica geraram 12% da eletricidade mundial no ano passado

Autor: 12 de abril de 2023Indicadores
7 minutos de leitura

De acordo com o Global Electricity Review, relatório lançado nesta semana pelo think tank de energia Ember – que apresenta dados de eletricidade de 2022 em 78 países – o Brasil viveu a maior queda absoluta do mundo nas emissões do setor energético em 2022.

O setor energético brasileiro emitiu 69 milhões de toneladas de CO2 no ano passado, uma queda de 34% (-36 MtCO2) em relação a 2021, quando emitiu 105 milhões de toneladas. A Ucrânia viu o segundo maior declínio nas emissões (-14 MtCO2) e um declínio percentual comparável (-38%).

Conforme o estudo, a redução de emissões do Brasil se deveu principalmente a um aumento de um ano para o outro da geração hidrelétrica devido a alta da pluviosidade (+65 TWh, +18%).

A geração hidrelétrica em 2021 (363 TWh) estava em seu nível mais baixo desde 2015, enquanto em 2022 atingiu o nível mais alto desde 2011 (428 TWh). Além disso, apontaram que a energia eólica (+8,5 TWh, +12%) e a solar (+5 TWh, +30%) apresentaram ambos um bom crescimento no ano passado em comparação com 2021.

Isso levou, no caso, a uma queda na energia gerada pelos combustíveis fósseis, notadamente uma redução de 46% no gás (-42 TWh). A queda nas emissões vem depois de 2021, quando houve um recorde histórico para as emissões do setor elétrico brasileiro devido às más condições hidrelétricas e à maior demanda de eletricidade.

Potencial inexplorado da solar no Brasil

A oscilação de altas emissões em anos de seca para baixas emissões durante os anos úmidos pode ser evitada com a utilização de mais vento e sol. Pesquisadores descobriram que, cobrindo apenas 1% das hidrelétricas brasileiras com energia solar flutuante, o Brasil poderia atender 12% de suas necessidades de eletricidade.

A tecnologia também reduziria a evaporação e maximizaria a geração de hidroeletricidade. Em vez disso, o país investiu fortemente em usinas elétricas a gás, com contratos que obrigaram a contratação desta energia mesmo durante anos de geração hidrelétrica abundante.

Segundo dados do ONS (Operador Nacional do Sistema Elétrico), 3% da eletricidade do país veio da energia solar em 2022. Em 2022, o Brasil gerou 89% de sua eletricidade a partir de fontes limpas, o que inclui também 63% de energia hidrelétrica e 12% de eólica. Os combustíveis fósseis representavam 11% da geração brasileira no ano pasado, sendo que a maioria foi observada no gás (7%).

“A crescente capacidade eólica e solar do Brasil já está fornecendo eletricidade substancial para a rede”, frisou Małgorzata Wiatros-Motyka, analista sênior de eletricidade da Ember.

“Como elas continuam a crescer, estas tecnologias ajudarão não apenas a reduzir as emissões do setor elétrico, mas também a impulsionar cortes de emissões em toda a economia através da eletrificação de outros setores. A crise global do gás em 2022 deixou claro que combustíveis fósseis caros não podem ser confiáveis para a segurança energética a curto ou longo prazos”, enfatizou.

‘É preciso priorizar as fontes renováveis’

Felipe Barcellos e Silva, pesquisador do IEMA (Instituto de Energia e Meio Ambiente) e do SEEG (Sistema de Estimativas de Emissões e Remoções de Gases de Efeito Estufa), comentou que, se analisadas isoladamente, as emissões do setor elétrico brasileiro em 2021 e 2022 podem gerar conclusões bem diferentes.

“Em 2021, a quantidade de carbono emitido foi uma das maiores registradas, o que parece um retrocesso. Já em 2022, essas emissões caíram de forma acentuada, o que parece ser um salto em direção à transição”, relatou.

Na visão dele, esse sobe e desce ocorreu em função das grandes variações no regime hidrológico do Brasil, influenciando a geração hidrelétrica, a mais importante fonte de energia no país.

“Para superar essa gangorra, que pode acontecer novamente no futuro, é preciso priorizar de maneira assertiva quais fontes complementarão a hidreletricidade. Tem se observado uma certa aposta no gás, o que acaba por ocupar o espaço de usinas eólicas e solares”, disse.

Portanto, com o intuito de reduzir tais emissões de forma sustentada, o especialista destacou que o Brasil precisa reverter essa tendência do gás, e estruturar o sistema para acionar termelétricas apenas em último caso.

Solar e eólica registram recorde em 2022

O relatório enfatizou também que as fontes solar e eólica atingiram um recorde de 12% da eletricidade mundial em 2022, contra 10% em 2021. Em toda a América do Sul, Uruguai (36%) e Chile (28%) têm as maiores quotas.

Os dados revelaram que mais de 60 países geram atualmente mais de 10% de sua eletricidade a partir da energia eólica e solar, incluindo o Brasil (15%) e a Argentina (12%).

Além disso, destacaram que a solar foi a fonte de eletricidade que mais cresceu no mundo pelo décimo oitavo ano consecutivo, aumentando 24% de um ano para outro e adicionando eletricidade suficiente para abastecer toda a África do Sul. A geração eólica aumentou 17% em 2022, o suficiente para energizar quase todo o Reino Unido.

“O cenário está preparado para que a eólica e solar alcancem uma ascensão meteórica até o topo. A eletricidade limpa irá remodelar a economia global, do transporte à indústria e mais além”, apontou Wiatros-Motyka.

“Uma nova era de queda das emissões fósseis significa que a energia do carvão se reduzirá gradualmente, e o fim do crescimento da energia do gás está agora à vista. A mudança está chegando rapidamente, entretanto, tudo depende das ações tomadas agora pelos governos, empresas e cidadãos para colocar o mundo em um caminho para a energia limpa até 2040”, frisou o executivo.

Dados da produção global de eletricidade

2022

2021

Year-on-year change

Share in the electricity mix, %

(Generation, terawatt hours)

Change in generation, terawatt hours

(as a percentage)

Solar

4.5%

(1,284 TWh)

3.7%

(1,039 TWh)

+245 TWh

(+24%)

Wind

7.6%

(2,160 TWh)

6.6%

(1,848 TWh)

+312 TWh

(+17%)

Hydro

15%

(4,311 TWh)

15%

(4,238 TWh)

+73 TWh

(+1.7%)

Coal

36%

(10,186 TWh)

36%

(10,078 TWh)

+108 TWh

(+1.1%)

Gas

22%

(6,336 TWh)

23%

(6,348 TWh)

-12 TWh

(-0.2%)

Nuclear

9.2%

(2,611 TWh)

9.9%

(2,739 TWh)

-129 TWh

(-4.7%)

Bioenergy

2.4%

(672 TWh)

2.4%

(666 TWh)

+5.5 TWh

(+0.8%)

Electricity demand

28,510 TWh

27,816 TWh

+694 TWh

(+2.5%)

Emissões globais do setor elétrico atingiram pico

O estudo da Ember prevê ainda que o ano passado poderá ser o “pico” das emissões de eletricidade e o último ano de crescimento da energia fóssil, com a energia limpa atendendo a todo o crescimento da demanda em 2023.

Como resultado, haveria uma pequena queda na geração de energia fóssil (-0,3%) em 2023, com quedas maiores nos anos subseqüentes, à medida que a implantação eólica e solar se acelera. “Nesta década decisiva para o clima, é o início do fim da era fóssil. Estamos entrando na era da energia limpa”, finalizou o analista sênior.

Apesar da crise mundial do gás e dos temores de um retorno ao carvão, o aumento da eólica e solar limitou a expansão da geração global de carvão, que aumentou 1,1% em 2022.

A geração global de energia a gás caiu muito ligeiramente (-0,2%) em 2022. Em geral, isso ainda significou que as emissões globais do setor energético aumentaram em 1,3% em 2022, atingindo um recorde histórico.

De acordo com a modelagem da IEA (Agência Internacional de Energia), o setor elétrico precisa passar de ser o segmento de maior emissão para ser o primeiro a alcançar o zero líquido em 2040, a fim de alcançar o net zero em toda a economia até 2050. Isto significaria que as fontes solar e eólica alcançariam 41% da eletricidade global até 2030, em comparação com 12% em 2022.

Mateus Badra

Mateus Badra

Jornalista graduado pela PUC-Campinas. Atuou como produtor, repórter e apresentador na TV Bandeirantes e no Metro Jornal. Acompanha o setor elétrico brasileiro desde 2020. Atualmente, é Analista de Comunicação Sênior do Canal Solar e possui experiência na cobertura de eventos internacionais.

Um comentário

  • NAPOLEAO DE ALENCAR ALMEIDA disse:

    Não há o que contestar. Apenas alertar e pedir que o governo brasileiro crie subsídios a fim de estimular o uso das energias renováveis, principalmente a solar, Afinal de contas, vivemos em um país tropical, onde a incidência de radiação solar nos favorece a crescermos nessa direção para cada vez mais usar energia renovável.

Comentar

*Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Canal Solar.
É proibida a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes e direitos de terceiros.
O Canal Solar reserva-se o direito de vetar comentários preconceituosos, ofensivos, inadequados ou incompatíveis com os assuntos abordados nesta matéria.