21 de abril de 2021
solar
No Brasil Hoje

Potencia GC SolarGC 3,29 GW

No Brasil Hoje

Potencia GD SolarGD 5,35 GW

Carrinho

Cabos elétricos: fique de olho no cobre

Além da pureza do metal, é importante saber se o fabricante não está usando menos cobre do que o necessário para evitar acidentes

Autor: 1 de março de 2021Opinião
Cabos elétricos: fique de olho no cobre

Há quem acredite que os fios e cabos elétricos são todos iguais, mas a verdade é que, entre outros fatores, uma das diferenças mais importantes a que você deve prestar atenção ao comprar o produto está justamente na matéria-prima principal desses condutores: o cobre.

O cobre é um elemento químico da família dos metais que ocorre naturalmente em nosso planeta, cujas fontes variam desde pequenos vestígios a ricos depósitos de minas.

A maioria das minas opera com concentrações de cobre entre 0,2% e 0,8%, mas alguns dos corpos mais ricos em minério, localizados no centro da África Austral, podem conter de 5% a 6% de cobre. Para o Brasil, a grande referência de mercado para obter esse metal é o vizinho Chile.

O minério de cobre é triturado e lixiviado com uma solução de ácido. Da solução rica em cobre após a extração do solvente, é obtido o chamado complexo de cobre. Em um processo de eletrólise, o metal é recuperado como cátodo com 99,9% de pureza, índice adequado para o uso elétrico.

O problema é que nem sempre é este o grau de pureza do cobre encontrado em fios e cabos elétricos nos mercados brasileiro e latino-americano, resultado em instalações elétricas mal dimensionadas e, sobretudo, inseguras para os bens e as pessoas.

As normas de instalação brasileiras não especificam a obrigatoriedade da pureza do cobre dos condutores elétricos de forma direta. Estas normas, nas partes que tratam dos tipos de condutores elétricos da instalação, especificam que os cabos devem atender às suas respectivas normas de construção/fabricação. Por sua vez, as normas de construção/fabricação especificam as resistências elétricas máximas permitidas para os condutores dos cabos elétricos.

O parâmetro de resistência elétrica está diretamente relacionado com o grau de pureza e/ou a quantidade de cobre contido no condutor elétrico. A medição da resistência elétrica é muito mais fácil e prática quando comparada aos testes químicos e/ou físicos de espectrometria em laboratórios específicos para a verificação da pureza do cobre.

Em fábrica, caso o teste de resistência elétrica apresente resultado superior ao máximo estabelecido pela norma, o fabricante já terá o indicativo de que o cobre está fora das especificações. Mas o que acontece na prática?

Infelizmente no Brasil é comum encontrarmos no mercado cabos elétricos com condutores fora da especificação das normas de fabricação, ou seja, com resistência elétrica acima do valor máximo permitido.

Este fato ocorre em sua grande maioria nos cabos elétricos com tensão de isolação 750 V e seções (bitolas) finas até 10 mm2, os quais são amplamente utilizados nas instalações elétricas dos circuitos de força e iluminação residenciais, comerciais e até mesmo industriais.

A baixa qualidade do cabo está associada não somente à impureza do cobre, mas também à utilização de menos cobre na construção dos condutores – os chamados “cabos desbitolados”. No pior dos casos, pode haver produtos que combinam as duas situações, uma grave ameaça à segurança das pessoas, tornando necessária a compra de produtos certificados de fabricantes reconhecidos no mercado.

Além de o cliente/consumidor estar sendo enganado pelo fato de o cabo, especificamente em relação ao cobre, não possuir a qualidade e/ou a quantidade efetivamente declarada, muito mais grave é o risco da utilização deste produto nas instalações elétricas.

Cabo com condutor de cobre fora da especificação possui maior resistência elétrica, o que tecnicamente significa que a sua capacidade de conduzir a corrente elétrica é menor do que a aquela projetada para a instalação. A consequência será o sobreaquecimento do cabo, fato que, além de aumentar o consumo de energia, poderá até mesmo levar ao derretimento da sua isolação, levando ao curto-circuito e assim originando um incêndio.

Marcondes Takeda

Marcondes Takeda

Gerente da engenharia de aplicação do Grupo Prysmian

Comentar