24 de outubro de 2021

Cluster Serra Branca: maior complexo eólico e solar da Voltalia no mundo

CEO da Voltalia no Brasil falou sobre a construção do maior cluster da empresa

Autor: 13 de outubro de 2021Entrevistas
Cluster Serra Branca: maior complexo eólico e solar da Voltalia no mundo

A empresa francesa de energia renovável Voltalia anunciou no início de setembro a construção das usinas Solar Serra do Mel 1 (SSM 1) e Solar Serra do Mel 2 (SSM 2), que somam 320 MW, no Rio Grande do Norte (RN).

As plantas integram o complexo eólico e solar Serra Branca, localizado entre os municípios de Areia Branca e Serra do Mel, com capacidade total de 2,4 GW. Sendo a maior usina fotovoltaica do mundo no cluster da empresa.

A Voltalia está no Brasil há 15 anos, investindo e desenvolvendo projetos no Amapá, Rio Grande do Norte, Bahia, Minas Gerais, entre outros estados. 

Em entrevista exclusiva ao Canal Solar, Robert Klein, CEO da Voltalia no Brasil, comentou os planos de investimento e as expectativas da empresa para o Brasil.

Por que a empresa optou por construir o complexo eólico e solar no Brasil? 

O Brasil tem um território enorme e rico em recursos naturais. Ele agrupa um leque de vantagens para uma transição energética eficaz e sustentável.  O Rio Grande do Norte, por exemplo, tem a vantagem de concentrar boas condições para eólicas e solares. Por isso, optamos pelo cluster híbrido no estado.  A nossa ideia é aproveitar a sinergia das duas fontes e compartilhar da mesma estrutura para o escoamento de energia, deixando os empreendimentos mais competitivos, por meio de economia de escala. 

Quanta potência de energia solar é esperada para ser gerada? E quais os equipamentos usados para a geração de energia solar?

É esperado 320 MWp de potência de energia solar. Já os equipamentos utilizados são Canadian Solar 290 Wp, os inversores são da Sungrow e os trackers da Nextracker.

Para quem este complexo vai gerar energia? 

BRF e COPEL. Além disso, atuaremos no mercado regulado e outras empresas que possuem contrato de confidencialidade.

Como tem sido a atuação da empresa no Brasil?

A Voltalia está no Brasil há 15 anos, investindo e desenvolvendo projetos no Amapá, Rio Grande do Norte, Bahia, Minas Gerais, entre outros estados.  Ressaltamos que todos os nossos investimentos no Brasil têm sido positivos. O país tem uma grande riqueza em recursos naturais, o que colabora para o desenvolvimento de bons projetos de energias renováveis. 

Só no Rio Grande do Norte, investimos, em conjunto com nossos parceiros, mais de R$ 3 bilhões em nossos empreendimentos, sem contar a construção do nosso Centro de Operações em Mossoró, inaugurado no ano passado. A previsão é investir mais R$ 2,5 bilhões no estado até 2023, além do que já foi investido até hoje. 

Quais os planos da empresa para o Brasil?

Atualmente, estamos com cerca de 1 GW em operação e construção no Brasil. A nossa previsão é atingir 1,3 GW em operação até o final do ano que vem.  Há anos, desenvolvemos o cluster Serra Branca, localizado no Estado do Rio Grande do Norte, que possui potencial de atingir 2,4 GW de capacidade instalada. Recentemente, colocamos alguns parques eólicos em operação comercial e iniciamos a construção de duas usinas solares no cluster.  

Ainda estamos ampliando nossos negócios para outras regiões do Brasil, como Minas Gerais e Bahia. No Estado da Bahia, estamos desenvolvendo nosso segundo cluster no país: o cluster Canudos, com potencial para ultrapassar 1 GW de capacidade instalada e cujas obras do seu primeiro parque eólico, com 99 MW de capacidade instalada, já foram iniciadas. 

Seguimos crescendo não só no mercado regulado com a participação em leilões, mas também no Mercado Livre, com importantes PPAs (Plano Plurianual) de curto, médio e longo prazos, assinados nos últimos anos. Além disso, permanecemos no mercado atuando fortemente no desenvolvimento de projetos e na prestação de serviços de construção (EPC) e de O&M (Operação e Manutenção) que prestamos para nossos clientes.  

Mariana Zilli

Mariana Zilli

Atuou no Projor (Instituto para o Desenvolvimento do Jornalismo) na mediação e no mapeamento de veículos de imprensa em funcionamento. Possui experiência como assessora de imprensa e produtora de conteúdo para redes sociais.

Comentar