27 de maio de 2022
solar
No Brasil Hoje

Potencia GC SolarGC 5.02GW

No Brasil Hoje

Potencia GD SolarGD 10,7W

Consumidor tem prejuízo de R$ 8,7 bi para custear térmicas que não entregam energia

Levantamento do Idec apontou que 33 usinas não estariam cumprindo as condições de desempenho estipuladas

Autor: 28 de maio de 2021julho 1st, 2021Brasil
Consumidor tem prejuízo de R$ 8,7 bi para custear térmicas que não entregam energia

O Brasil está vivendo a maior crise hídrica da história. Para se ter uma ideia, os reservatórios das hidrelétricas do Sudeste e Centro-Oeste encerraram o período de chuvas com o menor nível dos últimos seis anos. 

No dia 10 de maio, por exemplo, os reservatórios que abastecem as duas regiões atingiram a marca de 33,7% de capacidade de armazenamento de energia.

Em meio a este cenário de seca, o Idec (Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor) realizou um levantamento e apontou um fator que evidencia ainda mais a situação crítica do país e que está pesando no bolso dos brasileiros.

Segundo a pesquisa, os consumidores estão pagando R$ 8,7 bilhões por ano para custear usinas térmicas. O cálculo identificou 33 plantas que não estariam cumprindo as condições de desempenho estipuladas nos contratos de fornecimento fechados com as distribuidoras. 

“Nossa análise identificou usinas com contratos que somam 6,5 GW médios, cujos índices de indisponibilidade estão superiores aos limites contratuais”, disse Clauber Leite, coordenador do Programa de Energia e Sustentabilidade do Idec.

Por conta disso, o Instituto encaminhou uma carta à ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica) alertando sobre o problema e pedindo providências.

Os contratos das usinas térmicas com as distribuidoras preveem a possibilidade de rescisão caso ocorram três anos consecutivos de indisponibilidade – que pode acontecer por falhas no funcionamento ou paradas de manutenção – em valor superior ao usado no cálculo das garantias físicas das plantas. 

Os cálculos consideraram a receita fixa das usinas, ou seja, quanto recebem apenas por estarem disponíveis. “Se acionadas pelo ONS (Operador Nacional do Sistema Elétrico), essas térmicas também recebem o CVU (custo variável unitário), relativo principalmente ao custo do combustível”, explicou Leite. 

O conjunto de plantas inclui térmicas a carvão mineral, óleo diesel, combustível e gás natural. Os casos mais graves apontados pela empresa são os da Termorio, UTE Mauá 3 e Candiota 3, cujas receitas fixas anuais são de, respectivamente, R$ 1,24 bilhão, R$ 1,06 bi e R$ 734,5 milhões. 

De acordo com o Idec, os valores estão sendo repassados aos consumidores via tarifas de energia. “O impacto pode ser ainda maior porque, sem a energia dessas usinas, o ONS é obrigado a buscar outras térmicas – ainda mais caras – para atender o mercado”, concluiu o especialista. 

EPE publica estudo sobre indisponibilidade das térmicas

A EPE (Empresa de Pesquisa Energética), publicou, esta semana, um estudo sobre indisponibilidades de usinas termelétricas em operação. O relatório indicou que, desde o final de 2020, o SIN (Sistema Interligado Nacional) vem passando por um período crítico de afluências.

Entre setembro do ano passado e abril de 2021, foi verificada a pior afluência no SIN em 90 anos de histórico. Além disso, a pesquisa apontou que os valores variam de 2.500 a 4.500 MW de potência indisponível no período de janeiro a março.

“O uso integral do parque termelétrico existente tem enfrentado dificuldades em função desses altos índices e por outras restrições elétricas (limites de escoamento de fluxo de energia)”, relatou a EPE. 

A Empresa de Pesquisa Energética constatou também que em 2020 as térmicas a diesel ficaram indisponíveis, em média, 53% do tempo. No caso das térmicas a óleo combustível, a indisponibilidade foi de 26%, já as usinas a gás e carvão, o número correspondeu a 19%.

Em 2011, os índices eram ainda menores: óleo combustível (na média, 3%), diesel (4%), carvão (12%) e gás (14%).

Energia solar se mostra uma solução frente à crise hídrica

Para Rodrigo Sauaia, CEO da ABSOLAR (Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica), a energia solar é vista como essencial para ajudar a economizar água dos reservatórios, aliviando a operação da matriz energética nacional e o bolso dos consumidores, bem como contribuir para um Brasil mais limpo, sustentável e competitivo.

“A nossa matriz possui, atualmente, mais de 60% da sua potência instalada da fonte hídrica. Sabemos que a mesma depende do ‘bom humor’ das chuvas, de ter ela no lugar certo e com a frequência certa para poder ser armazenada e aproveitada. Isso é um desafio para nós, considerando os tempos de seca que passamos há pelo menos cinco anos”.

Clique aqui e leia mais sobre a importância da solar frente à crise hídrica.

Mateus Badra

Mateus Badra

Atuou como produtor, repórter e apresentador na Bandeirantes e no Metro Jornal. Acompanha o setor elétrico brasileiro há mais de dois anos, atuando nas editorias de Mercado e Tendências, Mobilidade Urbana, P&D e Equipamentos. Jornalista graduado pela PUC-Campinas.

Um comentário

  • Tadêu Santos disse:

    O Brasil sempre andou na contramão das questões sociais, tratando as desigualdades com frieza e fome, da mesma forma nunca investiu nas energias renováveis, como a solar e as eólicas, ambas situações controladas pelo poder econômico, que protege os interesses liberais do capital.
    A falta de consciência social e ecológica da classe política e dos governantes não tem coragem de tomar uma decisão para definir um plano para acabar com a extração do carvão mineral e sua consequente queima para geração de energia elétrica nas térmicas no sul do país. Todos têm conhecimento dos estragos causados pelas minas carboníferas, os impactos em seu entorno e ao longo dos cursos d’água, como também nas usinas térmicas onde queimado, de onde saem pelas altas chaminés os gases efeito estufa para desequilibrar a camada de ozônio, resultando nas mudanças climáticas…!!!

Comentar

*Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Canal Solar.
É proibida a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes e direitos de terceiros.
O Canal Solar reserva-se o direito de vetar comentários preconceituosos, ofensivos, inadequados ou incompatíveis com os assuntos abordados nesta matéria.