2 de março de 2024
solar
No Brasil Hoje

Potencia GC SolarGC 12,2GW

No Brasil Hoje

Potencia GD SolarGD 26,9GW

Consumo nacional de energia elétrica cresce 1,3% no primeiro trimestre

Taxa sobe para 3,4% quando acrescidos a energia exportada para Argentina e Uruguai

Autor: 25 de abril de 2023Setor Elétrico
3 minutos de leitura
Consumo nacional de energia elétrica cresce 1,3% no primeiro trimestre

Destaque para o consumo do Maranhão (46%) e do Pará (8%). Foto: Divulgação CCEE

O consumo nacional de energia elétrica totalizou 68.993 MWmed no primeiro trimestre do ano, aumento de 1,3% na comparação com o mesmo período do ano passado. Segundo a Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE), se contabilizados os 1.445 MW exportados para a Argentina e Uruguai, a demanda aumentou 3,4% no comparativo anual.

A avaliação da CCEE é de que o consumo segue dentro do esperado, com a retomada do mercado energético e em linha com a primeira revisão quadrimestral da previsão de carga, que projeta aumento de 2,6% no consumo no ano. O crescimento observado no primeiro trimestre está atrelado ao bom desempenho de alguns setores da economia que devem continuar tendo boa performance em 2023.

O avanço do primeiro trimestre foi puxado pela demanda 5,4% maior no mercado livre (sem considerar a exportação), onde a indústria e grandes empresas negociam contratos de energia. O ambiente utilizou 24.561 MW médios e as maiores taxas foram registradas pela CCEE nos ramos de saneamento e comércio, impulsionados pela migração de novas unidades consumidoras, seguidas pelos ramos de atividade econômica ligados à metalurgia, que olham com otimismo a retomada da economia chinesa.

O restante, 44.432 MWmed, foi consumido pelo segmento das distribuidoras, no mercado regulado, que atende residências e pequenas empresas. Esse montante foi 0,8% menor na comparação anual e a queda teve influência de um maior volume de chuvas em boa parte do país no primeiro trimestre, além de temperaturas mais amenas que as registradas no mesmo período do ano passado.

Grafico-evolucao-do-consumo.jpg

Dados foram divulgados pela CCEE nesta segunda-feira,24. Fonte: CCEE

Ramos de atividades

Avaliando o comportamento dos 15 setores da economia com consumo de eletricidade monitorado pela CCEE no primeiro trimestre deste ano, no comparativo anual e sem considerar a exportação para Argentina e Uruguai, a demanda foi maior em quase todos eles, com destaque para os ramos de saneamento (24%), comércio (12%), extração de minerais metálicos (12%) e metalurgia e produtos de metal (9%). Apenas três áreas registraram queda: as indústrias têxtil e de químicos e o segmento de minerais não-metálicos, cada um com declínio de 3%.

Ramos-de-atividades.jpg

Destaque para o consumo dos setores de saneamento, comércio e minerais metálicos. Fonte: CCEE

Consumo por região

Na avaliação regional, o consumo de energia também subiu em quase todo o país no primeiro trimestre, com destaque para o Maranhão (46%) e Pará (8%), onde a indústria ligada ao ramo metalúrgico teve forte influência, seguido por Rondônia, onde as temperaturas ficaram acima da média registrada no mesmo período do ano passado, um cenário que aumenta o uso de equipamentos de refrigeração.

Nos estados onde a demanda por eletricidade foi menor, sem considerar a exportação, a CCEE destaca o Mato Grosso do Sul (-7%), o Rio Grande do Norte (-1%) e Pernambuco (-2%), todos afetados por volumes maiores de chuva no primeiro trimestre, e Pernambuco, adicionalmente, impactado pela queda no consumo do mercado livre.

Canal-Solar-Mapa-consumo-Brasil.jpg

Mato Grosso do Sul, Rio Grande do Norte e Pernambuco registraram queda no consumo. Fonte: CCEE

Wagner Freire

Wagner Freire

Wagner Freire é jornalista graduado pela FMU. Atuou como repórter no Jornal da Energia, Canal Energia e Agência Estado. Cobre o setor elétrico desde 2011. Possui experiência na cobertura de eventos, como leilões de energia, convenções, palestras, feiras, congressos e seminários.

Comentar

*Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Canal Solar.
É proibida a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes e direitos de terceiros.
O Canal Solar reserva-se o direito de vetar comentários preconceituosos, ofensivos, inadequados ou incompatíveis com os assuntos abordados nesta matéria.