26 de fevereiro de 2021
solar
No Brasil Hoje

Potencia GC SolarGC 3,28GW

No Brasil Hoje

Potencia GD SolarGD 4,88 GW

Dyness aposta no mercado de armazenamento de energia no Brasil

Empresa se concentra principalmente em P&D de dispositivos e materiais para baterias

Autor: 25 de janeiro de 2021fevereiro 17th, 2021Brasil
Dyness aposta no mercado de armazenamento de energia no Brasil

Dados da EPE (Empresa de Pesquisa Energética) apontam que no fim de 2020 o Brasil tinha mais de 200 localidades não conectadas ao SIN (Sistema Interligado Nacional). Para estas regiões onde o acesso à energia elétrica é precário ou inexistente um sistema off-grid é uma ótima solução. 

Este tipo de solução tem sido aplicado em diversos locais como fazendas, ilhas, indústrias, comércios, torres de telecomunicação e residências. Esta abertura de mercado tem atraído diversas marcas de baterias para o país, entre elas a Dyness.

A empresa atua com foco na pesquisa e fabricação de solução de armazenamento de energia de bateria de fosfato de lítio ferro. Atualmente, possui duas fábricas de produção na China, localizadas nas duas cidades de Yangzhou e Taizhou, ambas na província de Jiangsu, a leste.

Além disso, a Dyness tem dois centros de P&D (pesquisa e desenvolvimento), instalados na cidade de Xi’an, província de Shanxi, e na cidade de Yangzhou, província de Jiangsu. O centro de P&D de Xi’an se concentra principalmente na pesquisa e no desenvolvimento de materiais para baterias.

Enquanto o centro de Yangzhou se tem foco em P&D de dispositivos de bateria. As fábricas de produção estão da China. Com forte capacidade de P&D e capacidade de produção, as soluções de energia da Dyness já atenderam mais de 50 mil projetos na Europa, Oceania, África, Ásia e América Latina.

Sistema off-grid em comunidade indígena

No Brasil, diversos projetos fora da rede foram instalados utilizando a solução da Dyness por meio de uma parceria com a distribuidora Aldo. Um destes projetos foi um sistema fotovoltaico off-grid de 7.035 kWp para abastecer a UBS (Unidade Básica de Saúde) da aldeia indígena Avá- Canoeiro, na região de Minaçu (GO).

Dyness aposta no mercado de armazenamento de energia no Brasil

A implantação da usina solar foi viabilizada pela TAESA (Transmissora Aliança de Energia Elétrica S.A.) por compensação ambiental e fiscalizada pela Funai (Fundação Nacional do Índio). 

A planta foi instalada pela empresa de engenharia elétrica Fonte Solar no modelo carport, que funciona como um estacionamento seguro para a pick-up da Funai. Ao total, são 24 módulos fotovoltaicos de 335 Wp, um controlador de carga 100A, dois inversores Growatt de 5 KVA e duas baterias Dyness de 14,4 kWh. O investimento total foi de R$ 95 mil.

“Todo o projeto foi um grande desafio. Não só para levar os equipamentos para uma área remota, mas também para convencer a tribo toda de que aquele equipamento traria benefícios concretos à aldeia”, conta Natália Maestá, engenheira eletricista e CEO da Fonte Solar.

“Foi extremamente gratificante trabalharmos neste projeto, levando energia limpa e sustentável, além de contribuir para a saúde e perpetuação de um povo tão guerreiro”, acrescentou Natália.

O sistema fotovoltaico deve garantir energia para o atendimento da UBS na aldeia indígena, sendo capaz de conservar medicamentos e vacinas refrigerados. Ainda de acordo com a engenheira, o sistema é gerenciado remotamente, o que permite a operação do posto de saúde e o atendimento de saúde aos índios 24 horas.

Ericka Araujo

Ericka Araujo

Diretora de jornalismo do Canal Solar. Formada pela PUC-Campinas, com experiência em reportagem diária, produção de conteúdo e edição e roteirização de podcast.

Comentar