28 de janeiro de 2022
solar
No Brasil Hoje

Potencia GC SolarGC 4.63GW

No Brasil Hoje

Potencia GD SolarGD 8,83GW

Energia solar atrai investimentos do Poder Público e cresce 40% no Brasil

Dados da ANEEL mostram que, entre janeiro e novembro deste ano, foram instalados 19 MW em prédios públicos

Autor: 18 de dezembro de 2020Brasil
Energia solar atrai investimentos do Poder Público e cresce 40% no Brasil

O Poder Público segue investindo cada vez mais na energia solar fotovoltaica. É o que apontou dados da ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica).

Segundo a agência, de janeiro a novembro deste ano foram instalados 19 MW de potência em prédios públicos, uma alta de aproximadamente 40% frente aos 13,5 MW registrados no mesmo período de 2019.

“Esse crescimento aconteceu em todos os ramos da economia, e nos edifícios públicos não seria diferente”, disse Guilherme Susteras, coordenador do grupo de trabalho de geração distribuída da ABSOLAR (Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica).

“No caso desse segmento, existem modalidades muito criativas, muito interessantes, como, por exemplo, parcerias publico-privadas, que permitem que os prédios se beneficiem da energia limpa, com todos os seus atributos de sustentabilidade, de previsibilidade de custos, desenvolvimento econômico, promoção de emprego e renda, sem que haja um investimento inicial do governo”, destacou Susteras.

Segundo o especialista, é feito um pagamento ao longo da vida útil dos equipamentos e, com isso, o governo consegue ter um alívio no orçamento público. “Penso que tem um enorme potencial para todos os setores da economia, desde o agronegócio até comércio, serviço, indústria e poder público. Essa expansão só fortalece cada vez mais a geração distribuída”, concluiu.

Investimentos

O estado do Paraná foi uns dos governos que investiram em solar neste ano. Em 2021, 246 edificações públicas irão produzir sua própria energia elétrica no estado. Ao total, serão instalados sistemas fotovoltaicos em 208 escolas municipais e em outros prédios de sete municípios.

O MD (Ministério da Defesa), localizado em Brasília (DF), também decidiu apostar em um projeto de eficiência energética e obteve uma economia mensal de 40% na conta eletricidade. O investimento foi de R$ 2,4 milhões e o payback estimado é de seis anos.

O TRE (Tribunal Regional Eleitoral) do Mato Grosso do Sul também não ficou de fora. Foi inaugurado em novembro uma usina fotovoltaica de 169 kW em seu depósito de urnas.

Esta é a nona planta instalada pelo TRE-MS. Os municípios do Campo Grande, Nioaque, Ribas do Rio Pardo, São Gabriel D’Oeste, Aparecido do Taboado, Paranaíba e Chapadão do Sul já contam com essa tecnologia em suas localidades. Juntas, estas cidades possuem 630 KWp de potência instalada, gerando uma economia de cerca de R$ 750 mil ao ano.

Sudeste lidera expansão regional

O levantamento da ANEEL apontou ainda que a região Sudeste lidera o número de potência instalada em edifícios públicos com 7,5 MW, um crescimento de 25% com relação aos 6 MW contabilizados nos primeiros 11 meses de 2019. Na segunda colocação, está a região Nordeste, com 5 MW, seguido da Centro-Oeste, com 3,5 MW.

MG lidera crescimento estadual

Os dados da agência também indicaram que Minas Gerais aparece na primeira posição do ranking como o estado que mais utilizou energia solar em órgãos públicos de janeiro a novembro de 2020.

Ao total, o estado mineiro obteve 4,5 MW de potência, um aumento de quase 300% em relação a cerca de 1 MW do período homólogo. Na sequência, o estado do Mato Grosso aparece com 2 MW e o Ceará com 1,9 MW.

Mateus Badra

Mateus Badra

Atuou como produtor, repórter e apresentador na Bandeirantes e no Metro Jornal. Acompanha o setor elétrico brasileiro há mais de um ano, atuando nas editorias de Mercado e Tendências, Mobilidade Urbana, P&D e Equipamentos. Jornalista graduado pela PUC-Campinas.

Comentar

*Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Canal Solar.
É proibida a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes e direitos de terceiros.
O Canal Solar reserva-se o direito de vetar comentários ofensivos, inadequados ou incompatíveis com os assuntos abordados nesta matéria.