‘Equidade fiscal solar está mais competitiva do que nunca’

A indústria solar fotovoltaica exigirá, de investidores externos em 2020, de US$ 7 bilhões a US$ 8 bilhões em capacidade tributária. Esta é a análise de Michelle Davis, analista sênior da Wood Mackenzie. Ela também destaca que a competição para garantir esse investimento está mais acirrada do que nunca.

“A equidade fiscal para projetos solares recebeu muita atenção este ano. Quando a pandemia de coronavírus apareceu pela primeira vez, havia uma preocupação generalizada de que uma desaceleração econômica resultaria em menos imposto de renda disponível para projetos solares. Os maiores investidores no espaço, como JPMorgan, Bank of America ou USBank, teriam menos obrigações fiscais para dedicar a investimentos solares”, comentou a especialista.

“Mas a história completa é mais matizada. Menos patrimônio fiscal disponível para projetos é certamente uma preocupação. Mas a competição acirrada por imposto de renda e uma indústria solar em crescimento são os fatores mais críticos”, apontou.

Não se trata apenas de menos responsabilidade fiscal

De acordo Michelle, à medida que o final de 2020 se aproxima, os desenvolvedores de energia solar estão relatando que menos patrimônio fiscal disponível de grandes investidores está desacelerando os negócios.

“Obviamente, as obrigações fiscais totais dos principais investidores em patrimônio fiscal solar superam os US$ 7 a 8 bilhões exigidos por todos os projetos fotovoltaicos que entram em operação neste ano. Mas esses investidores normalmente alocam uma certa quantia de patrimônio líquido para qualquer investimento. E no atual clima econômico de 2020, essa alocação está sofrendo mais pressão do que nunca”, comentou.

Segundo ela, a previsão é que a energia solar utilitária cresça 66% este ano em comparação com 2019. “Os investidores estão relatando que mais negócios estão surgindo em suas mesas do que nunca. Em nossas conversas, um até caracterizou como ‘beber de uma mangueira de incêndio’. Apesar da pressa de hoje, a equidade fiscal solar se tornará menos importante para o financiamento de projetos de energia solar a partir de 2022”, ressaltou.

Futuro fiscal

Para a analista da Wood Mackenzie, à medida que o crédito fiscal de investimento diminui, as empresas implantam equipamentos com abrigo limitado e os custos da energia solar continuam sua tendência de queda. “Consequentemente, a demanda por patrimônio fiscal solar diminuirá”.

“A era da monetização do crédito fiscal que dita o financiamento de projetos solares está lentamente chegando ao fim”, concluiu Michelle.

Imagem de Mateus Badra
Mateus Badra
Jornalista graduado pela PUC-Campinas. Atuou como produtor, repórter e apresentador na TV Bandeirantes e no Metro Jornal. Acompanha o setor elétrico brasileiro desde 2020.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias Relacionadas

Receba as últimas notícias

Assine nosso boletim informativo semanal