‘Inversor vai deixar de ser puramente elemento de conversão de energia’, afirma especialista

A indústria de inversores no mundo está passando por um momento de profunda transformação
2 minuto(s) de leitura

O inversor fotovoltaico é um dos principais itens do kit de energia solar. Sua função é basicamente converter a energia elétrica gerada pelos painéis, de corrente contínua (CC) para corrente alternada (CA).

Além de garantir a segurança do sistema e medir a energia produzida pelos painéis solares, “o inversor vai deixar de ser puramente elemento de conversão de energia”, é o que afirma Pedro Alves, country manager da SMA no Brasil.

Segundo ele, a indústria de inversores no mundo está passando por um momento de profunda transformação. “O inversor vai cada vez mais incorporar funções da revolução digital que estamos vendo. Ele acaba sendo um hub de informação e gestão da informação gerada através da geração de energia”, explica Alves.

Para Alves, existem basicamente dois trends que estão movimentado o mercado mundial: pressão por preço e digitalização da tecnologia embarcada no inversor. “Há empresas, por exemplo, que verificaram os trends e decidiram não ficar na indústria. Elas deixaram o setor porque de fato existe uma pressão muito grande nos preços feita por fabricantes asiáticos. Outro trend, que é a digitalização, tem a ver com o inversor deixar de ser puramente elemento de conversão de energia. Isso já é consenso entre vários fabricantes”, disse o country menager da SMA.

Devido ao cenário de transformação na indústria, a SMA, empresa que produz e comercializa inversores solares para sistemas fotovoltaicos, tem buscado formas de se tornar mais competitiva ao longo dos anos. “Isso fez com que, em 2019, tivéssemos um aumento significativo no faturamento mundial, justamente por essas medidas de redução de custo e melhoria de eficiência na produção”, comentou Alves.

O especialista ainda destacou as vantagens de investir no setor fotovoltaico, que tem se mostrado mais resiliente frente à crise da Covid-19. “O mercado solar será afetado, porém, nada comparado com outros segmentos da indústria. A recuperação será rápida. Então, aposte no mercado fotovoltaico, ele tem demonstrado um crescimento muito acima dos outros setores da economia”, concluiu.

Imagem de Mateus Badra
Mateus Badra
Jornalista graduado pela PUC-Campinas. Atuou como produtor, repórter e apresentador na TV Bandeirantes e no Metro Jornal. Acompanha o setor elétrico brasileiro desde 2020.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias Relacionadas

Receba as últimas notícias

Assine nosso boletim informativo semanal