24 de outubro de 2021

Mercado de energia solar vislumbra bons resultados para o 2º semestre

Perspectivas são positivas e setor deve manter crescimento de negócios e empregos

Autor: 6 de agosto de 2021Opinião
Mercado de energia solar vislumbra bons resultados para o 2º semestre

A cada mês que passa, conforme a vacinação avança, a pandemia de Covid-19 vai arrefecendo no Brasil. 

Diferente de outros setores, o mercado de energia solar fotovoltaica sentiu menos os reflexos da crise econômica intensificada pela pandemia e se manteve firme e crescente, com potencial para fechamento de negócios e geração de empregos.

Mas, agora que já passamos da metade do ano, o que podemos esperar dos próximos meses?

Se tomarmos como base o cenário registrado nos primeiros meses de 2021, vislumbramos um segundo semestre muito bom para o setor de energia solar fotovoltaica, com expectativa de crescimento mês a mês. 

E, embora ainda não seja possível prever quando essa situação de pandemia vai acabar, a projeção otimista está baseada em fatores como a crise hídrica, que reforça ao mercado consumidor que é possível, sim, gerar sua própria energia. 

Isso, aliado à tendência de aquecimento da economia e ao fato de que as pessoas já aprenderam a conviver com o cenário de pandemia.

Na minha visão, no segundo semestre o mercado de energia solar deve sentir um aquecimento na procura por geradores solares. O agravamento da crise hídrica já enfrentada em estados do Sul e do Sudeste desencadeia a crise energética e, consequentemente, eleva os custos da energia para o consumidor. 

Com isso, a demanda por geração de energia solar desponta ainda mais como uma alternativa, não somente no que diz respeito à redução de custo, mas também como uma opção de fonte de energia sustentável.

Vale destacar, no entanto, que o aumento na demanda, mesmo com uma eventual queda do dólar, ainda não significará a possibilidade de repasse de preços mais baixos para os distribuidores. 

Isso porque o valor dos materiais está subindo no exterior diante de uma combinação de fatores, como a alta demanda mundial e especialmente dentro da China (que se comprometeu a ter uma economia de carbono neutro até 2060), além de dificuldades na cadeia de suprimentos e do frete internacional.

Com tudo isso, seguimos firmes e otimistas, trabalhando para levar energia solar ao alcance de todos.

Leandro Martins

Leandro Martins

Presidente da Ecori Energia Solar. Formado em Comércio Exterior pela UNIBERO-SP no ano 2000. Atuante no mercado internacional desde 1996 em diversos setores de alta tecnologia como, software de geoprocessamento, impressoras 3D, equipamentos de análise clínica e seus correlatos, equipamentos profissionais de Broascast e Smart Phones.

Comentar