24 de fevereiro de 2024
solar
No Brasil Hoje

Potencia GC SolarGC 12,2GW

No Brasil Hoje

Potencia GD SolarGD 26,8GW

Novembro foi o mês com maior consumo médio de energia elétrica em 2023

Calor histórico alavancou resultados, com uso intenso de ventiladores e ar-condicionado nas residências e empresas

Autor: 26 de dezembro de 2023Brasil
3 minutos de leitura
Novembro foi o mês com maior consumo médio de energia elétrica em 2023

Foto: Freepik

As altas temperaturas registradas em novembro impulsionaram o uso de ventiladores e aparelhos de ar-condicionado por todo o país e aumentaram o consumo brasileiro de energia elétrica em 11,4% na comparação com o mesmo mês do ano passado.

Segundo dados do Boletim InfoMercado Quinzenal, da CCEE (Câmara de Comercialização de Energia Elétrica), foram 72.261 MW médios registrados no período. Em 2023, nenhum outro mês do ano tanto consumo por energia elétrica. 

Foto: Divulgação/CCEE

O aumento foi mais significativo no mercado regulado, no qual as residências e as pequenas empresas contratam eletricidade diretamente das distribuidoras. O segmento apresentou crescimento de 15,2% no comparativo anual. 

A indústria e grandes empresas que estão no mercado livre apresentaram um avanço de 5,2%, influenciado tanto pelo calor quanto pela boa performance de setores como serviços e comércio. 

Consumo de energia elétrica por ramo de atividade econômica

As maiores altas de novembro, na comparação com o mesmo período de 2022, foram observadas pela CCEE nos setores de serviços (16,2%) e comércio (14,1%). 

“São ramos que, além do impacto da temperatura, com a necessidade de um uso mais intenso de equipamentos de refrigeração em shoppings, hotéis e supermercados, também usaram mais energia para garantir estoque para as festas de fim de ano. Apenas a indústria química e a fabricação de veículos tiveram carga menor, desafiados pelo mercado internacional”, destaca a CCEE. 

Foto: Divulgação/CCEE

Segundo o órgão, todos os estados do Brasil apresentaram alta no consumo de eletricidade em novembro, frente a igual período do ano passado. Destaque para o Espírito Santo (28,4%), Mato Grosso (28%), Maranhão (22,9%), Acre (19,3%) e Rio de Janeiro (19,2%).

Geração de energia

As hidrelétricas tiveram um dos melhores desempenhos do ano, entregando mais de 51.000 MW médios para o SIN (Sistema Interligado Nacional), avanço de 2,6% no comparativo anual. 

As eólicas e solares também bateram recorde de geração no ano, produzindo, juntas, mais de 14.500 MW médios, complementando a oferta de energia no país. 

Onda de calor eleva em 20% interesse por financiamento de painéis solares

As usinas eólicas foram responsáveis pela produção de 11.372 MW médios em 2023, um aumento de 35,8% em relação aos 8.374 MW médios do mesmo período do ano anterior. 

A produção de energia solar, por sua vez, registrou uma expansão de quase 90% na comparação entre os dois períodos: 1.656 MW médios em 2022 contra 3.134 MW médios em 2023.

Já as usinas térmicas aumentaram a sua participação em 23,5%, puxadas pela maior representatividade das usinas a biomassa, que usam a cana-de-açúcar como principal matéria-prima.

Foto: Divulgação/CCEE

 


Todo o conteúdo do Canal Solar é resguardado pela lei de direitos autorais, e fica expressamente proibida a reprodução parcial ou total deste site em qualquer meio. Caso tenha interesse em colaborar ou reutilizar parte do nosso material, solicitamos que entre em contato através do e-mail: [email protected].

Henrique Hein

Henrique Hein

Jornalista graduado pela PUC-Campinas. Atuou como repórter do Jornal Correio Popular e da Rádio Trianon. Acompanha o setor elétrico brasileiro pelo Canal Solar desde fevereiro de 2021, possuindo experiência na mediação de lives e na produção de reportagens e conteúdos audiovisuais.

Comentar

*Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Canal Solar.
É proibida a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes e direitos de terceiros.
O Canal Solar reserva-se o direito de vetar comentários preconceituosos, ofensivos, inadequados ou incompatíveis com os assuntos abordados nesta matéria.