2 de março de 2024
solar
No Brasil Hoje

Potencia GC SolarGC 12,2GW

No Brasil Hoje

Potencia GD SolarGD 26,9GW

Preços das baterias de íon-lítio sobem para US$ 151/kWh, aponta BNEF

Pesquisa da BloombergNEF diz que os custos aumentaram depois de mais de uma década de declínios

Autor: 15 de dezembro de 2022dezembro 16th, 2022Indicadores
5 minutos de leitura
Preços das baterias de íon-lítio sobem para US$ 151/kWh, aponta BNEF

Preços médios das baterias devem permanecer elevados em 2023. Foto: Reprodução

O aumento dos preços das matérias-primas e dos componentes da bateria, bem como a alta da inflação, levaram ao primeiro aumento nos custos das baterias de íon-lítio desde que a BNEF (BloombergNEF) começou a rastrear o mercado em 2010.

Segundo a pesquisa, depois de mais de uma década de declínios, os preços médios aumentaram para US$ 151/kWh em 2022, alta de 7% em relação ao ano passado em termos reais.

A pressão de aumento do custo ultrapassou a maior adoção de produtos químicos de valor mais baixo, como fosfato de ferro e lítio (LFP). A BloombergNEF espera que os custos permaneçam em níveis semelhantes no próximo ano, desafiando ainda mais as tendências históricas.

Os números acima representam uma média de vários usos finais de baterias, incluindo diferentes tipos de VEs (veículos elétricos), ônibus e projetos de armazenamento estacionário.

Para pacotes de VEs a bateria (BEV) em particular, os preços eram de US$ 138/kWh em uma base média ponderada por volume em 2022. No nível da célula, os custos médios de BEV eram de apenas US$ 115/kWh. Isso indica que, em média, as células representam 83% do preço total do pacote.

Países

Em uma base regional, os preços das baterias foram mais baratos na China, US$ 127/kWh. As embalagens nos EUA e na Europa foram 24% e 33% maiores, respectivamente.

De acordo com o estudo, os preços mais altos refletem a relativa imaturidade desses mercados, os custos de produção mais altos, a diversidade de aplicações e as importações de baterias. Para a extremidade superior da faixa, o baixo volume e os pedidos sob medida aumentam os valores.

A BNEF afirmou ainda que os custos poderiam ter subido ainda mais em 2022 se não fosse pela maior adoção da química de cátodo de baixo custo conhecida como LFP, e a redução contínua de cobalto caro em cátodos à base de níquel.

Em média, as células LFP eram 20% mais baratas do que as células de óxido de cobalto de manganês e lítio (NMC) em 2022. No entanto, mesmo produtos químicos de baixo custo como o LFP, que está particularmente exposto aos preços do carbonato de lítio, sentiram a mordida dos custos crescentes ao longo da cadeia de mantimentos. Os valores das baterias LFP aumentaram 27% em 2022, em comparação com 2021.

“Os aumentos de preços de matérias-primas e componentes foram os maiores contribuintes para os preços mais altos de células observados em 2022”, disse Evelina Stoikou, associada de armazenamento de energia da BNEF e principal autora do relatório.

“Em meio a esses aumentos de preços de metais de bateria, grandes fabricantes de baterias e as montadoras adotaram estratégias mais agressivas para se proteger contra a volatilidade, incluindo investimentos diretos em projetos de mineração e refino”, apontou.

Preços devem permanecer elevados

Embora os preços dos principais metais das baterias, como lítio, níquel e cobalto, tenham diminuído ligeiramente nos últimos meses, a BNEF espera que os preços médios das baterias permaneçam elevados em 2023 em US$ 152/kWh.

De acordo com a pesquisa, é estimado que o preço da bateria comece a cair novamente em 2024, quando os custos do lítio devem diminuir à medida que mais capacidade de extração e refino entra em operação.

Com base na taxa de aprendizado observada atualizada, a BloombergNEF prevê que os preços médios dos pacotes devem cair abaixo de US$ 100/kWh até 2026. Isso ocorre dois anos depois do esperado anteriormente e terá um impacto negativo na capacidade das montadoras de produzir e vender no mercado de massa VEs em áreas sem subsídios ou outras formas de apoio.

Além disso, afirmaram que os preços mais altos das baterias também podem prejudicar a economia dos projetos de armazenamento de energia. “Apesar de um revés na queda de preços, a demanda por baterias ainda está atingindo novos recordes a cada ano. A demanda chegará a 603 GWh em 2022, quase o dobro de 2021”, destacou Yayoi Sekine, chefe de armazenamento de energia da BNEF.

“Aumentar a oferta nessa taxa de crescimento é um desafio real para o setor, mas o investimento no setor também está aumentando rapidamente e a inovação tecnológica não está diminuindo”, ressaltou.

Kwasi Ampofo, chefe de metais e mineração da BloombergNEF, acrescentou que os custos do lítio permanecem altos devido às persistentes restrições da cadeia de suprimentos e ao lento aumento da nova capacidade de produção.

“O fornecimento adicional de lítio pode aliviar a pressão sobre os preços em 2024, enquanto a geopolítica e a tensão comercial continuam sendo as maiores incertezas para os preços de outros metais importantes para baterias no curto prazo. Resolver essas tensões pode ajudar a acalmar os valores em 2023 e além”, comentou.

Portanto, a BNEF relatou que o investimento contínuo em P&D (Pesquisa e Desenvolvimento), melhorias no processo de fabricação e expansão da capacidade em toda a cadeia de suprimentos ajudará a melhorar a tecnologia de baterias e reduzir custos na próxima década.

“Esperemos que as tecnologias de próxima geração, como ânodos metálicos de silício e lítio, eletrólitos de estado sólido e novos materiais de cátodo e processos de fabricação de células, desempenhem um papel importante para permitir mais reduções de custos”, concluíram.

Mateus Badra

Mateus Badra

Jornalista graduado pela PUC-Campinas. Atuou como produtor, repórter e apresentador na TV Bandeirantes e no Metro Jornal. Acompanha o setor elétrico brasileiro desde 2020. Atualmente, é Analista de Comunicação Sênior do Canal Solar e possui experiência na cobertura de eventos internacionais.

Comentar

*Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Canal Solar.
É proibida a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes e direitos de terceiros.
O Canal Solar reserva-se o direito de vetar comentários preconceituosos, ofensivos, inadequados ou incompatíveis com os assuntos abordados nesta matéria.