5 de março de 2021
solar
No Brasil Hoje

Potencia GC SolarGC 3,28 GW

No Brasil Hoje

Potencia GD SolarGD 4,90 GW

Projeção da carga estima crescimento de 3,6% por ano até 2025

ONS, CCEE e EPE divulgaram os dados do Planejamento Anual da Operação Energética

Autor: 7 de dezembro de 2020Setor Elétrico
Projeção da carga estima crescimento de 3,6% por ano até 2025

O ONS (Operador Nacional do Sistema Elétrico), a CCEE (Câmara de Comercialização de Energia Elétrica) e a EPE (Empresa de Pesquisa Energética) divulgaram os dados da previsão de carga para o Planejamento Anual da Operação Energética – Ciclo 2021 (2021-2025).

Segundo as empresas, a expectativa é de um crescimento médio da carga de 3,6% por ano. Em 2021, a previsão de aumento é de 3,4% no SIN, considerando uma elevação do PIB (Produto Interno Bruto) de 3,3%, influenciado pelo carregamento estatístico de 2020.

A perspectiva é que a carga feche o ano com 66.793 MW médios, um aumento de 1.019 MW médios em relação à previsão da 2ª revisão quadrimestral de 2020.

De acordo com o relatório, as principais premissas consideradas para o curto prazo foram:

  • Indicadores de atividade mais recentes corroboram a premissa de impactos da pandemia mais concentrados no 2º trimestre, com recuperação a partir de meados de 2020;
  • Medidas de combate à crise em função da pandemia, aumento da confiança e bom desempenho das exportações que ajudaram a reduzir os efeitos negativos da pandemia sobre a atividade econômica;
  • Recuperação do mercado de trabalho gradual ao longo do ano de 2021.

Já as maiores incertezas relevantes consideradas para esse período no processo de previsão de carga foram:

  • O impacto do fim do auxílio emergencial, a disponibilidade de vacina para toda a população e o risco de uma segunda onda

A partir de 2022 foram consideradas as seguintes premissas:

  • Ambiente econômico mais estável que permita uma elevação da confiança dos agentes, recuperação do mercado de trabalho e expansão da demanda doméstica;
  • Aceleração do crescimento mundial com maior impulso aos setores exportadores, sobretudo de commodities;
  • Maior estabilidade econômica propiciando uma retomada mais significativa dos investimentos nos próximos anos, com destaque para o setor de infraestrutura, gerando efeitos sobre a produtividade da economia.
Mateus Badra

Mateus Badra

Jornalista graduado pela PUC-Campinas. Experiência como produtor, repórter e apresentador em diferentes veículos de comunicação: mídia impressa, online e televisiva.

Comentar