23 de abril de 2024
solar
No Brasil Hoje

Potencia GC SolarGC 13,4GW

No Brasil Hoje

Potencia GD SolarGD 28,6GW

Quase 50% dos PPAs de energia solar e eólica ocorreram nas Américas em 2023

Empresa brasileira foi uma das companhias com o maior volume de contratos assinados no mundo, destaca BloombergNEF

Autor: 14 de fevereiro de 2024Mundo
3 minutos de leitura
Quase 50% dos PPAs de energia solar e eólica ocorreram nas Américas em 2023

Mercado global de PPAs de energias solar e eólica cresceu 33% desde 2015. Foto: Lightsource BP/Reprodução

Os contratos globais de compra de energia solar e eólica apresentaram um crescimento de 12% em 2023, com destaque para os acordos firmados na região das Américas, revelam dados da BloombergNEF, divulgados nesta terça-feira (13).

De acordo com o estudo, cerca de 45% (20,9 GW) dos PPAs (Power Purchase Agreement) corporativos anunciados no ano passado ocorreram nas Américas, seguida pela Europa, com 33% (15,4 GW). 

Em 2023, pouco mais de 46 GW em projetos solares e eólicos foram contratados pelas grandes corporações de todo o mundo. No ano anterior, esse número foi de 41 GW. 

A melhora da economia mundial após a crise da Covid-19, juntamente com as metas iminentes de energia limpa das empresas, foram os principais impulsionadores que sustentaram esse crescimento. 

De acordo com a BloombergNEF, desde 2008, as empresas já anunciaram acordos de PPAs superiores a 198 GW de energia solar e eólica – maior do que a capacidade de geração de energia de países como França, Reino Unido e Coreia do Sul. 

Desde 2015, o mercado corporativo de compra dessas duas fontes limpas de energia cresceu 33% e com investimentos cada vez maiores, sendo 2023 o sétimo ano que o mercado global de PPAs atinge um novo recorde. 

“Nunca foi tão fácil comprar energia limpa como uma empresa. Pela primeira vez, uma variedade de estruturas de contratação estão agora amplamente disponíveis em todo o mundo para ajudar as empresas a descarbonizar o seu consumo de energia”, disse Kyle Harrison, chefe de pesquisa de sustentabilidade da BloombergNEF e principal autor do relatório.

Empresas com maiores volumes de PPAs

Pelo quarto ano consecutivo, a Amazon foi a maior compradora corporativa de energia limpa do mundo entre um grupo de mais de 200 empresas monitoradas pela BloombergNEF, seguida pelas empresas Meta, LyondellBasell e Google.

Em 2023, a Amazon anunciou quase 8,8 GW de PPAs em 16 países. O portfólio de energia limpa da empresa totaliza 33,6 GW, um tamanho maior do que as frotas de geração de energia de mercados como Bélgica e Chile. 

Fonte: BloombergNEF

Em relação ao mercado brasileiro, o destaque é a colocação da Albras – uma produtora de alumínio que foi a sétima empresa com o maior volume de PPAs assinados no mundo em 2023, com cerca de 767 MW adquiridos.

“Com a ascensão da inteligência artificial, a eletrificação dos transportes e o aumento da necessidade de produção, esperamos que a procura de energia por parte do setor privado aumente nos próximos anos. A energia limpa, especialmente através de PPAs, será provavelmente a primeira e melhor opção para muitas empresas”, disse Harrison.

Atlas e Albras assinam maior PPA privado de energia solar da América Latina


Todo o conteúdo do Canal Solar é resguardado pela lei de direitos autorais, e fica expressamente proibida a reprodução parcial ou total deste site em qualquer meio. Caso tenha interesse em colaborar ou reutilizar parte do nosso material, solicitamos que entre em contato através do e-mail: [email protected].

 

 

Henrique Hein

Henrique Hein

Jornalista graduado pela PUC-Campinas. Atuou como repórter do Jornal Correio Popular e da Rádio Trianon. Acompanha o setor elétrico brasileiro pelo Canal Solar desde fevereiro de 2021, possuindo experiência na mediação de lives e na produção de reportagens e conteúdos audiovisuais.

Comentar

*Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Canal Solar.
É proibida a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes e direitos de terceiros.
O Canal Solar reserva-se o direito de vetar comentários preconceituosos, ofensivos, inadequados ou incompatíveis com os assuntos abordados nesta matéria.