16 de agosto de 2022
solar
No Brasil Hoje

Potencia GC SolarGC 5,61GW

No Brasil Hoje

Potencia GD SolarGD 12,2W

Solar será utilizada para suprir consumo energético de Santos (SP)

Por meio de uma PPP, prefeitura pretende instalar usina FV para abastecer vias e espaços públicos

Autor: 5 de agosto de 2022Projetos
Solar será utilizada para suprir consumo energético de Santos (SP)

Audiência pública realizada com representantes da Fipe e da prefeitura. Foto: Reprodução

Promover um modelo de iluminação pública moderno e sustentável. Este é o objetivo da proposta de concessão dos serviços da prefeitura de Santos (SP).

O projeto, elaborado em conjunto com a Fipe (Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas), foi apresentado e discutido na noite de terça-feira (2) em audiência pública no formato híbrido (presencial e virtual).

Por meio de uma PPP (parceria público-privada), com prazo de vigência de 30 anos e valor máximo do contrato de R$ 194,4 milhões, a Pasta visa tornar as quase 30 mil luminárias da cidade para o tipo LED, reduzir o consumo de energia em mais de 50% e instalar uma usina solar para suprir parte ou o total da eletricidade consumida nas vias e espaços públicos.

“Isto será um ganho significativo porque é uma geração de energia limpa, que não causa efeitos ao meio ambiente”, explicou o engenheiro eletricista Dionéio Alves, representante da Fipe (Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas).

Segundo o Órgão, foram apresentados cinco cenários com a implantação do sistema fotovoltaico e os seus respectivos custos, com geração de energia variando de 87.400 kWh/mês até 1.308.015 kWh/mês.

Energia solar irá promover economia e sustentabilidade para Santos. Foto: Reprodução

Energia solar irá promover economia e sustentabilidade para Santos. Foto: Reprodução

Do ponto de vista econômico, o mais indicado pela consultoria técnica é a adoção do modelo classificado como 1b, que prevê a geração de 107.539kWh/mês, o suficiente para manter toda a iluminação da orla, incluindo a faixa de areia, jardins e as avenidas à beira-mar.

Neste cenário, seriam investidos R$ 22,8 milhões na instalação de uma planta de 5 mil m². A cidade arcaria na concessão com a contraprestação mensal de R$ 2,5 milhões, valor que deverá ser coberto com os recursos já previstos na arrecadação da CIP (Contribuição para Iluminação Pública).

Uso de luminárias LED

Durante a audiência, foi apresentado o cenário atual da iluminação pública de Santos, que conta com 29.457 luminárias. Deste montante, 40% são do tipo LED (11.879 luminárias), 37% de vapor de sódio (10.809) e 23% de vapor metálico (6.769).

A concessão, no caso, prevê a modernização no período de um ano, tornando 100% das lâmpadas para o tipo LED, que consome até 75% menos energia.

A medida prevê uma redução no consumo mensal de energia dos atuais 2.803.896 kWh para 1.308.015 kWh, uma economia de 1.495.850 kWh/mês (-53%). Já o custo de eletricidade deve passar de R$ 1,2 milhão para R$ 749,5 mil, redução de R$ 508 mil por mês.

Consulta pública segue até 2 de setembro

As minutas do edital de licitação e do contrato da concessão do projeto, elaboradas em conjunto com a Fipe, ficarão acessíveis à população no portal da Prefeitura por 30 dias (até 2 de setembro) para consulta pública e encaminhamento de sugestões, questionamentos e manifestações.

Os interessados podem se manifestar pelo hotsite ou presencialmente na Seplan (Secretaria de Planejamento e Inovação). É preciso informar nome, entidade ou empresa que representa e e-mail de contato para o recebimento de devolutiva.

Mateus Badra

Mateus Badra

Atuou como produtor, repórter e apresentador na Bandeirantes e no Metro Jornal. Acompanha o setor elétrico brasileiro desde 2020, atuando nas editorias de Mercado e Tendências, Mobilidade Urbana, P&D e Equipamentos. Jornalista graduado pela PUC-Campinas.

Comentar

*Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Canal Solar.
É proibida a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes e direitos de terceiros.
O Canal Solar reserva-se o direito de vetar comentários preconceituosos, ofensivos, inadequados ou incompatíveis com os assuntos abordados nesta matéria.