5 de julho de 2022
solar
No Brasil Hoje

Potencia GC SolarGC 5.09GW

No Brasil Hoje

Potencia GD SolarGD 11,3W

TCU pede explicações do MME sobre crise hídrica

Órgão alega que medidas tomadas não estão sendo suficientes para afastar o risco de desabastecimento

Autor: 15 de setembro de 2021janeiro 13th, 2022Brasil
TCU pede explicações do MME sobre crise hídrica

A SeinfraElétrica (Secretaria de Fiscalização de Infraestrutura em Energia Elétrica) publicou um documento pedindo para que a CREG (Câmara de Regras Excepcionais para Gestão Hidroenergética) realize uma audiência cobrando do MME (Ministério de Minas e Energia) explicações a respeito dos impactos causados pela crise hídrica.

No documento apresentado, a unidade técnica que compõe o TCU (Tribunal de Contas da União) alega que as medidas que vêm sendo tomadas pelas entidades e órgãos relacionados ao setor elétrico não estão sendo suficientes para afastar o risco de desabastecimento e garantir a segurança do suprimento eletroenergético no país.

Com isso, ficou definido que o CREG tem até sexta-feira (17) para se manifestar acerca dos fatos apontados, precavendo-se quanto à possibilidade de o tribunal determinar cautelarmente a elaboração de um plano de contingência estratégico para enfrentamento da crise.

O texto apresentado destaca que em relação às ações adotadas, houve uma piora do nível dos reservatórios acima do esperado. “Em que pese algumas dessas medidas somente terem começado a vigorar a partir de 1º de setembro de 2021, há indicativo de que as providências não se mostram suficientes para eliminar o risco de racionamento do consumo, tampouco o risco de blecaute”.

O documento ainda chama a atenção para o fato de que o atual cenário hidrológico é motivo de preocupação desde outubro de 2020, quando o CMSE (Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico) apontou a necessidade de adoção de medidas excepcionais para garantir o atendimento da carga e uma menor degradação dos armazenamentos hidrelétricos. 

Além disso, o órgão do TCU ainda informou que, até o momento, não foi apresentado formalmente um plano estratégico de medidas sequenciais a serem adotadas, mesmo com as publicações mensais de notas técnicas do ONS (Operador Nacional do Sistema Elétrico) avaliando as condições de atendimento eletroenergético do SIN (Sistema Interligado Nacional).

Confira o documento completo, clicando aqui

Crise hídrica 

A falta de chuvas e de oferta energética, desde o final do ano passado, fizeram com que o Governo Federal fosse obrigado a tomar uma série de medidas para evitar a necessidade do racionamento de energia junto às famílias brasileiras.

As principais ações aplicadas foram a compra de energia de países vizinhos, como Argentina e Uruguai, e a adesão ao uso das termelétricas – uma fonte mais cara, na qual o custo é repassado ao consumidor. 

Desde o começo do ano, especialistas do setor de energia explicam que a realização de investimentos em renováveis, entre elas a solar, seria uma solução mais viável para enfrentar o problema, já que mais da metade da matriz energética do país vem da eletricidade gerada pelas hidrelétricas. 

O Canal Solar entrou em contato com o MME e aguarda uma resposta acerca da decisão do SeinfraElétrica. 

Crédito da imagem: Leopoldo Silva/Agência Senado.

Henrique Hein

Henrique Hein

Atuou como repórter no jornal Correio Popular e na Rádio Trianon. Possui experiência em produção de podcast, programas de rádio, entrevistas e elaboração de matérias jornalísticas. Acompanha o setor de energia solar fotovoltaica, cobrindo as editorias de Mercado e Tendências; Negócios e Empresas; Cases e Bastidores da Política.

Comentar

*Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Canal Solar.
É proibida a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes e direitos de terceiros.
O Canal Solar reserva-se o direito de vetar comentários preconceituosos, ofensivos, inadequados ou incompatíveis com os assuntos abordados nesta matéria.