29 de fevereiro de 2024
solar
No Brasil Hoje

Potencia GC SolarGC 12,2GW

No Brasil Hoje

Potencia GD SolarGD 26,9GW

UFAL desenvolve estudo com sistemas agrivoltaicos

Estudo desenvolvido na universidade tem foco na cultura da cana de açúcar

Autor: 26 de janeiro de 2024janeiro 29th, 2024Brasil
3 minutos de leitura
UFAL desenvolve estudo com sistemas agrivoltaicos

Foto: Acervo Pesquisador

Seguindo as tendências mundiais de buscar o crescimento de energias sustentáveis, a UFAL (Universidade Federal do Estado de Alagoas) tem em desenvolvimento um projeto para o uso de sistemas agrivoltaicos em plantações de cana de açúcar.

Quem lidera a pesquisa é o professor Ricardo Araújo do CECA (Campus de Engenharias e Ciências Agrárias) e financiada pela FAPEAL (Fundação de Amparo à Pesquisa de Alagoas).

Na avaliação de Araújo, a utilização da fonte solar neste tipo de aplicação contribui na redução da emissão desses gases, além de gerar economia na conta de energia.

“Algumas formas de produção de alimento e energia emitem gases de efeito estufa (GEE) que são responsáveis pelas mudanças no clima. A energia fotovoltaica é reconhecida como uma forma de energia renovável e está tendo um crescimento exponencial no Brasil”, disse o pesquisador. 

Desenvolvimento e resultados

O projeto, que teve início em 2021, é feito em parceria com a Usina Santa Clotilde na cidade de Rio Largo. Ele avalia a produção de cana com três densidades distintas de painéis fotovoltaicos. A geração, em média, mensalmente é de 9 MWh.

Araújo afirma que a maior parte dos projetos agrivoltaicos no mundo busca definir a altura e distância dos painéis para ou não prejudicar a produção, ou melhorá-la.

“É notável que os painéis instalados sobre as plantas produzam sombras, então, o ponto chave para o sucesso de um sistema agrivoltaico é saber como a cultura escolhida vai responder a esse novo microclima”, disse o professor.

Se fazem análises mensais em que se observam a radiação solar, temperatura do ar e do solo, umidade do ar, velocidade do vento e umidade do solo do microclima criado.

Ele também falou que no primeiro ano, os resultados foram positivos em relação a um cultivo tradicional. Além da geração de energia, a produção também foi maior.

No entanto, Araújo também delineou alguns problemas para a implantação desses sistemas com a cultura da cana-de-açúcar. “Com a altura atingida pelas plantas de cana e colheita mecanizada, os painéis precisam ficar muito elevados, há também o risco de acidentes com as grandes máquinas agrícolas e possibilidades de incêndio”, afirmou.

O pesquisador lembra também que usinas de cana-de-açúcar geralmente são cogeradoras de energia pela queima do bagaço, uma fonte de biomassa. Por isso, as usinas de cana têm potencial para ampliar o uso de fontes renováveis de energia e armazená-las em momentos de baixa demanda elétrica.

Futuro do projeto

A continuidade da pesquisa permanecerá com as análises desse sistema e observar a evolução. Araújo disse que outros estudos estão sendo desenhados em Alagoas, mas com outras culturas.

Os novos estudos têm foco no semiárido, onde sistemas agrivoltaicos podem melhorar o uso da água. 


Todo o conteúdo do Canal Solar é resguardado pela lei de direitos autorais, e fica expressamente proibida a reprodução parcial ou total deste site em qualquer meio. Caso tenha interesse em colaborar ou reutilizar parte do nosso material, solicitamos que entre em contato através do e-mail: [email protected].

Frederico Tapia

Frederico Tapia

Estudante de jornalismo pela UNESP do campus de Bauru. Possui experiência em produção de matérias jornalísticas.

Comentar

*Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Canal Solar.
É proibida a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes e direitos de terceiros.
O Canal Solar reserva-se o direito de vetar comentários preconceituosos, ofensivos, inadequados ou incompatíveis com os assuntos abordados nesta matéria.