4 de março de 2024
solar
No Brasil Hoje

Potencia GC SolarGC 12,2GW

No Brasil Hoje

Potencia GD SolarGD 26,9GW

BNEF estima aumento na demanda anual de baterias de íon-lítio

Expansão do mercado de veículos elétricos é um dos fatores que indicam essa alta, diz especialista

Autor: 8 de julho de 2021julho 14th, 2021Mundo
3 minutos de leitura
BNEF estima aumento na demanda anual de baterias de íon-lítio

Segundo pesquisa realizada pela BloombergNEF, em 2030, a demanda anual por baterias de íon-lítio passará de 2,7 TWh por ano.

Tal estimativa é 35% maior do que na previsão do ano passado, em grande parte devido à maior adoção de VEs (veículos elétricos) de passageiros.

Rogério Mattos, diretor da Ideatek, representante oficial da Tesvolt no Brasil, também compartilha dessa premissa e disse que as projeções para o armazenamento de energia deverão ser revisadas para cima.

“O mercado de VEs será um dos principais drivers desse crescimento da demanda por baterias de lítio, não só para utilização nos carros eletrificados, como também nos pontos de carregamento. Isso deverá ajudar a reduzir o custo significativamente”, destacou.

Saiba mais: Carros a combustão perdem espaço e 74 milhões de VEs serão vendidos por ano até 2050

Outro ponto ressaltado no relatório da BNEF é sobre a demanda de grafite das baterias de íon-lítio, que deve aumentar com relação ao ano anterior em 37% –​ o que corresponde a 446.914 toneladas métricas em 2021. Ao todo, a empresa projeta alta de 297% até o final da década. 

“O grafite é um dos principais componentes da bateria de lítio, resistente a altas temperaturas. Ele é utilizado normalmente no ânodo, ajuda na estabilidade e também no incremento de densidade energética. Sua crescente utilização é explicada pela expansão do armazenamento”, apontou Mattos. 

Preço do lítio deve subir, mas estabilizará em 2022

Ainda de acordo com o estudo, os preços do lítio continuarão a subir em 2021, devido à restrição no fornecimento como resultado da pandemia e à maior demanda registrada na China e na Europa. 

Os custos subiram, por exemplo, 71% para o carbonato este ano, 91% para o hidróxido e 58% para o concentrado de espodumênio. “Esperamos que todos os preços continuem em alta, mas gradualmente estabilizem à medida que mais oferta estiver online em 2022”, destacou a BloombergNEF.

Mais dados

Confira outros dados apresentados pela BNEF:

  • Os preços do níquel provavelmente permanecerão dentro de US$ 18 mil por tonelada métrica em 2021;
  • A demanda por cobalto chegará a 163.121 toneladas em 2021, levando a um excedente de 3.313 toneladas este ano. Este excedente projetado dependerá da capacidade dos produtores artesanais de aumentar a oferta;
  • O preço do metal cobalto pode ser em média de US$ 45 mil por tonelada no final de 2021. Com o mercado projetado para ser relativamente superavitário nesta década, é esperado que os custos se mantenham em uma média de US$ 44 mil por tonelada até 2025;
  • Os preços do sulfato de manganês aumentaram 30%, de US$ 867 por tonelada métrica em janeiro para US$ 1.128 em junho, em função do aumento na demanda por baterias. Tais valores devem continuar subindo na segunda metade do ano.
Mateus Badra

Mateus Badra

Jornalista graduado pela PUC-Campinas. Atuou como produtor, repórter e apresentador na TV Bandeirantes e no Metro Jornal. Acompanha o setor elétrico brasileiro desde 2020. Atualmente, é Analista de Comunicação Sênior do Canal Solar e possui experiência na cobertura de eventos internacionais.

Comentar

*Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Canal Solar.
É proibida a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes e direitos de terceiros.
O Canal Solar reserva-se o direito de vetar comentários preconceituosos, ofensivos, inadequados ou incompatíveis com os assuntos abordados nesta matéria.