26 de fevereiro de 2021
solar
No Brasil Hoje

Potencia GC SolarGC 3,28GW

No Brasil Hoje

Potencia GD SolarGD 4,88 GW

Cooperativa de cafeicultores em MG investe em energia solar

De acordo com Sauaia, este crescimento é impulsionado por um conjunto de benefícios que a fonte solar proporciona

Autor: 28 de julho de 2020outubro 2nd, 2020Brasil
Cooperativa de cafeicultores em MG investe em energia solar

A Coopercam (Cooperativa dos Cafeicultores de Campos Gerais e Campo do Meio) estima economizar mais de R$ 240 mil por ano com a instalação de uma usina solar fotovoltaica na sua sede em Campos Gerais (MG).

A planta foi instalada em um espaço de 4 mil m², com 192 kWp de potência e 480 módulos fotovoltaicos. A expectativa é que a usina produza, em média, 23 mil kWh de energia por mês.

“Esse é um novo passo que estamos dando para reduzir os gastos na cooperativa. Além disso, estamos aproveitando uma fonte natural para a geração de energia limpa e, assim, contribuindo para o meio ambiente”, explica José Afonso Gomes, diretor administrativo da Coopercam.

Gomes também destaca que as vantagens da energia solar foram decisivas para a tomada de decisão. “São inúmeros os benefícios desse sistema. E, para chancelar esse projeto, fizemos todos os estudos necessários. A conclusão que chegamos é que vale muito a pena ter esse sistema em suas dependências, principalmente para a redução dos custos”, ressalta o executivo.

Rodrigo Sauaia, presidente executivo da ABSOLAR (Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica), comenta que este tipo de investimento é recorrente devido à economia obtida. “Tem sido comum que cooperativas de produtores rurais se organizem para fazer aquisições, compras em blocos e, com isso, conseguir descontos, condições mais competitivas e atrativas para os seus insumos produtivos e para suas contratações de serviços. Além disso, os produtores também têm feito uso destes mecanismos de cooperativismo na área de energia solar para reduzir seus custos de produção”, ressalta o executivo.

A usina solar da Coopercam foi projetada e construída pela Eletrovan Engenharia, especializada em sistemas solares fotovoltaicos. A empresa atua nos estados de Minas Gerais e Goiânia, e realiza projetos para residências, indústrias, estabelecimentos comerciais e área rural.

Expansão da fonte solar no setor rural

O uso da energia solar no setor rural tem crescido com força no país. Segundo levantamento exclusivo do Canal Solar, a potência instalada da fonte fotovoltaica no meio rural brasileiro registrou um aumento de 120% no primeiro semestre deste ano em comparação com 2019, subindo de 63 MW para 142 MW de potência.

Sauaia comenta as expectativas do mercado para os próximos anos. “Recentemente, o segmento rural ultrapassou o industrial e hoje já representa 11,7% de toda potência instalada em geração distribuída solar no país. Com isso, o setor rural contribui de forma significativa para o mercado fotovoltaico e a expectativa é de que esta participação cresça ao longo dos próximos anos”, afirma o executivo.

Ainda de acordo com Sauaia, este crescimento é impulsionado por um conjunto de benefícios que a fonte solar proporciona. “Os produtores rurais têm área disponível e também, às vezes, áreas construídas, de telhados, fachadas e estacionamentos, disponíveis para fazer o uso da tecnologia. Além disso, possuem acesso às linhas de financiamentos positivas para o uso da energia fotovoltaica e, graças a uma ação da ABSOLAR com o Ministério da Agricultura, os que quiserem investir em energia solar fotovoltaica podem usar recursos do Plano Safra 2020-2021”.

Fora os atrativos para o investimento em energia fotovoltaica, Sauaia lista as diversas aplicações da fonte solar no segmento rural. “No campo, a energia solar tem um conjunto abrangente de aplicações. A mais utilizada está no bombeamento e irrigação de água. Ademais, os sistemas fotovoltaicos também são utilizados na produção leiteira, para a refrigeração de leite, na produção de proteína animal e para a refrigeração de carnes. Ainda podem ser utilizados em processos produtivos, em tanques de aquicultura para manter a oxigenação, em cercas elétricas para manejo animal, em sistemas de comunicação, segurança e vigilância e, para levar energia elétrica à regiões de propriedades que não estejam conectadas às rede”, elenca Sauaia.

 

Ericka Araujo

Ericka Araujo

Diretora de jornalismo do Canal Solar. Formada pela PUC-Campinas, com experiência em reportagem diária, produção de conteúdo e edição e roteirização de podcast.

Comentar