27 de maio de 2022
solar
No Brasil Hoje

Potencia GC SolarGC 4.99GW

No Brasil Hoje

Potencia GD SolarGD 10,7W

Crise hídrica pode ser um catalisador para aprovação do PL 5829

“A crise hídrica reforça para o mercado consumidor que é possível gerar sua própria energia”. Esta é a análise de Leandro Martins, presidente da Ecori Energia Solar.De acordo com ele, tal período de seca,...
Autor: 23 de julho de 2021Brasil
Crise hídrica pode ser um catalisador para aprovação do PL 5829

“A crise hídrica reforça para o mercado consumidor que é possível gerar sua própria energia”. Esta é a análise de Leandro Martins, presidente da Ecori Energia Solar.

De acordo com ele, tal período de seca, considerado o pior dos últimos 91 anos e que desencadeia a recessão energética, pode ser um catalisador para a aprovação do PL 5829, que visa a criação do Marco Legal da GD (geração distribuída). “Este pode ser um bom momento para que as forças sejam intensificadas”.

Leia mais: Energia renovável é vital para minimizar crise hídrica e alta tarifária

“De toda forma, com a aprovação do projeto de lei, o setor solar espera sentir um aquecimento com uma busca maior por geradores fotovoltaicos. Entretanto, um possível aumento na procura atrelado à queda do dólar não significa que haverá a possibilidade de repassar um preço mais baixo para os distribuidores”, ressaltou o executivo.

“Isso porque o valor dos materiais está subindo em moeda estrangeira diante de uma combinação de fatores como a alta demanda mundial, a alta demanda interna na China (que se comprometeu a ter uma economia de carbono neutro até 2060), dificuldades na cadeia de suprimentos, bem como a questão do frete internacional”, completou. 

Leia mais: Deputados entram em recesso e votação do Marco Legal da GD fica para agosto 

Análise do 1º semestre

Para Martins, é possível destacar alguns pontos importantes que marcaram o primeiro semestre de 2021 do mercado fotovoltaico brasileiro. Uma das questões é a demora na aprovação do PL 5829, que desde março entrou e saiu da pauta da Câmara dos Deputados e segue sem previsão de retomada. 

“Infelizmente, o mesmo foi imensamente emendado e nos coloca em posição de retaguarda. Caso entre na pauta e algumas emendas sejam aprovadas, teremos um setor muito prejudicado, com uma aceleração na busca por sistemas fotovoltaicos com armazenamento de energia”, comentou.

“O momento é de cautela. Continuamos em conversas no cenário político e empresarial para tentarmos um desfecho positivo para o país, para o segmento de geração distribuída e para o planeta como um todo”, enfatizou o especialista. 

condições especiais maio

Ademais, o presidente da Ecori apontou que outro fator essencial no setor é a importação de mercadorias. “O aumento no frete internacional reflete diretamente no mercado nacional, o que impossibilita a diminuição dos preços mesmo em um cenário de queda do dólar. Atualmente, os custos estão nos maiores patamares já vistos e o principal problema é a falta de previsibilidade em relação aos meses seguintes”. 

“Se compararmos os preços de frete antes da pandemia com os atuais, os valores representam mais de 10% da mercadoria, um fator que sozinho já elimina a possibilidade de diminuição deles em decorrência da queda do dólar. Os fretes continuarão pressionados até 2022 diante do aumento da demanda natural da segunda metade do ano”, relatou. 

Leia mais: 2º semestre será mais desafiador para importação de equipamentos fotovoltaicos

Análise do 2º semestre

“Tomando como base o primeiro semestre, em geral, as perspectivas para o segundo são positivas para o setor fotovoltaico”. É o que afirmou Leandro Martins.

“Nossa expectativa é que sigamos em crescimento por alguns fatores. Primeiro, entendemos que as pessoas aprenderam a conviver com esse cenário de pandemia, o que faz com que isso não seja mais um impeditivo para o segmento. Outro ponto é que a economia apresenta sinais de aquecimento”, explicou o especialista.

Formatos digitais ganham força no setor

O executivo também discorreu que, diante do cenário de pandemia, o setor solar precisou se movimentar e migrar para formatos digitais ou, ao menos, híbridos para manter um ritmo para os negócios. 

“Acreditamos que essas formas vão conversar muito bem. Nossa ideia, inclusive, é que possamos voltar com os eventos, assim que recomendado pelas autoridades sanitárias, e adotar um formato híbrido com realização presencial e transmissão ao vivo”, destacou.

“Enquanto isso não é possível, seguimos a premissa de zelo e cuidado com a saúde dos colaboradores, parceiros e clientes”, ressaltou Martins, acrescentando que, para este ano, a previsão da Ecori é fechar com 100% de crescimento.

Mateus Badra

Mateus Badra

Atuou como produtor, repórter e apresentador na Bandeirantes e no Metro Jornal. Acompanha o setor elétrico brasileiro há mais de dois anos, atuando nas editorias de Mercado e Tendências, Mobilidade Urbana, P&D e Equipamentos. Jornalista graduado pela PUC-Campinas.

Comentar

*Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Canal Solar.
É proibida a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes e direitos de terceiros.
O Canal Solar reserva-se o direito de vetar comentários preconceituosos, ofensivos, inadequados ou incompatíveis com os assuntos abordados nesta matéria.