27 de maio de 2022
solar
No Brasil Hoje

Potencia GC SolarGC 5.02GW

No Brasil Hoje

Potencia GD SolarGD 10,7W

Financiamento solar corresponde por 57% das vendas em 2021

Estudo da Greener aponta ainda crescimento expressivo no volume de módulos e inversores importados

Autor: 11 de fevereiro de 2022fevereiro 16th, 2022Brasil
Financiamento solar corresponde por 57% das vendas em 2021

Classe residencial se destaca no avanço da geração distribuída. Foto: Envato Elements

O financiamento solar continua avançando, apoiando 57% das vendas efetuadas, sendo importante alavanca para crescimento do setor fotovoltaico. É o que apontou levantamento realizado pela Greener, empresa de consultoria e pesquisa.

De acordo com o Estudo Estratégico de Geração Distribuída: 2º Semestre de 2021, 40 instituições financeiras foram citadas no ano passado, um crescimento em relação às 11 mencionadas em 2016.

Em primeiro lugar, como o banco mais citado, aparece o BV (43%), seguido do Santander (36%), Sicredi (24%), Solfácil (23%), Banco do Brasil (22%), Sicoob (20%), Bradesco (10%), BNB (7%) e as demais instituições (14%). “Casos de pagamento à vista diminuíram com o passar dos anos, dando espaço justamente para o financiamento bancário”, ressaltou a Greener.

Leia também:

Importação de módulos

Outro destaque do estudo é referente ao volume de módulos fotovoltaicos demandados pelo mercado brasileiro em 2021 para atender a geração solar (geração distribuída + centralizada).  Ao total, foram importados 9,7 GW, alta de 100% frente a 2020, que alcançou 4,77 GW. “Observamos uma forte aceleração do volume de módulos no quarto trimestre do ano passado, indicando otimismo do mercado para 2022”, apontou a consultoria.

Este volume de 9,7GW representou participação de 5,6% da demanda mundial de painéis solares em 2021, que foi de 172,6 GW, segundo a PV Infolink. Um importante crescimento considerando que em 2017 essa participação representava 0,9%.

Importação de inversores

Já o volume de inversores importados até novembro de 2021 foi de 8,99 GW, alta de 130% em relação ao mesmo período de 2020, que obteve 4,95 GW. Ao longo do ano passado, os inversores de maior porte se destacaram com média de 50% do volume total importado da tecnologia string. Os de menor potência tem se mantido estável.

Preços do sistema FV

Os preços dos sistemas fotovoltaicos tiveram elevação média de 8% em 2021. No geral, as usinas solo com tracker apresentam incremento de 6 a 8% no valor final em relação às instalações ao solo com estruturas fixas, que apresentam elevação de 9 a 12% sobre as instalações no telhado.

Segundo a Greener, a restrição da cadeia produtiva mundial, somada à disparada dos preços do frete e à valorização do dólar, impactaram diretamente os custos dos módulos em 2021. Em contrapartida, a expressiva entrada de novos players e a alta competitividade do mercado foram fatores que atenuaram o aumento dos preços ao consumidor final.

Outros destaques

A classe residencial se destaca no avanço da geração distribuída, representando 54% do volume adicionado em 2021, ao passo que a classe comercial foi responsável por 27%. “A permanência do trabalho remoto, a energia elétrica mais cara e o maior acesso ao financiamento podem ser fatores decisivos na escolha da GD pelos consumidores residenciais nos próximos meses”, disse a Greener.

Para o segmento comercial, a questão da confiança foi fator fundamental na escolha da empresa integradora, mostrando que a credibilidade e a indicação de clientes satisfeitos são indicadores importantes para a geração de negócios. Na sequência, o preço também se mostrou fator decisivo para o consumidor comercial.

Sobre o estudo

A Greener entrevistou 3.767 empresas Integradoras no período de 14 de dezembro de 2021 a 17 de janeiro de 2022. A pesquisa contou com uma amostra de empresas de todo o país, de todos os portes e idades, obtendo assim uma ampla diversidade do mercado de integração fotovoltaica.

Clique aqui e confira o relatório completo.

Mateus Badra

Mateus Badra

Atuou como produtor, repórter e apresentador na Bandeirantes e no Metro Jornal. Acompanha o setor elétrico brasileiro há mais de dois anos, atuando nas editorias de Mercado e Tendências, Mobilidade Urbana, P&D e Equipamentos. Jornalista graduado pela PUC-Campinas.

Comentar

*Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Canal Solar.
É proibida a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes e direitos de terceiros.
O Canal Solar reserva-se o direito de vetar comentários preconceituosos, ofensivos, inadequados ou incompatíveis com os assuntos abordados nesta matéria.