21 de abril de 2021
solar
No Brasil Hoje

Potencia GC SolarGC 3,29 GW

No Brasil Hoje

Potencia GD SolarGD 5,35 GW

Carrinho

Privatização da Eletrobras amplia investimentos da empresa em renováveis

Segundo o MME, a proposta tem como foco também fortalecer aportes no setor elétrico e em projetos regionais

Autor: 24 de fevereiro de 2021Brasil
Privatização da Eletrobras amplia investimentos da empresa em renováveis

O Governo Federal entregou, na noite desta terça-feira (23), ao Congresso Nacional a MP (Medida Provisória) que trata da privatização da Eletrobras.

Segundo o MME (Ministério de Minas e Energia), a proposta traz competitividade para a empresa, com sustentabilidade, podendo assim ampliar seus investimentos em renováveis e novas tecnologias.

Ademais, o governo afirmou que o processo de capitalização tem como foco o consumidor de energia elétrica, permitindo alívios tarifários por meio de redução de pagamento de encargos setoriais.

O órgão ressaltou ainda que a modelagem visa o aumento dos investimentos, contribuindo para a expansão do setor elétrico, gerando emprego e renda.

A entrega da MP foi feita pelo presidente Jair Bolsonaro e pelos ministros Bento Albuquerque (Minas e Energia), Paulo Guedes (Economia) e Luiz Eduardo Ramos (Secretaria de Governo) aos presidentes do Senado Federal, Rodrigo Pacheco, e da Câmara dos Deputados, Arthur Lira.

“A capitalização da Eletrobras é essencial para fazer com que o Brasil volte a crescer e é também fundamental para um setor que precisa de investimentos. Isso contribuirá para o abastecimento presente e futuro de toda a cadeia produtiva, a preços competitivos, porque a energia elétrica é insumo básico para a indústria, agricultura e serviços”, afirmou Bento Albuquerque, ministro de Minas e Energia.

Sobre a MP

A Medida Provisória vai permitir ao BNDES iniciar os estudos sobre a desestatização da Eletrobras. A pesquisa deve durar cerca de oito meses e já pode ser iniciada enquanto o Congresso Nacional discute o projeto. 

No entanto, somente após a conversão da MP em lei é que o processo de capitalização será iniciado.

De acordo com o MME, o texto traz importantes aprimoramentos na modelagem de capitalização da empresa em relação ao projeto apresentado em 2019. 

“Dentre as medidas propostas, há o aumento dos recursos destinados à CDE (Conta de Desenvolvimento Energético), que passou de 1/3 para 50%, e a inclusão da Usina Hidrelétrica de Tucuruí, que traz mais recursos para reduzir encargos setoriais pagos pelos consumidores”, disse o governo em nota. 

“Além de permitir a captação de recursos pela União e pela CDE em montantes superiores a R$ 50 bilhões, a medida prevê o desenvolvimento de projetos fundamentais nas regiões Norte, Nordeste e Sudeste, que transcendem o próprio setor elétrico, contribuindo para o desenvolvimento do país”, acrescentou o MME.

Investimentos

O texto aponta que está previsto o aporte de R$ 295 milhões anuais, pelo prazo de dez anos, para o desenvolvimento de ações visando à redução estrutural de custos de geração de energia na Amazônia Legal. 

Também devem ser investidos R$ 230 milhões anuais, por dez anos, para revitalização de bacias hidrográficas, onde se localizam as usinas hidrelétricas de Furnas. 

Por fim, prevê-se o aporte de R$ 350 milhões anuais para a revitalização da bacia hidrográfica do Rio São Francisco, porém com a inovação de destinação de energia elétrica para o projeto de transposição do rio.

Mateus Badra

Mateus Badra

Jornalista graduado pela PUC-Campinas. Experiência como produtor, repórter e apresentador em diferentes veículos de comunicação: mídia impressa, online e televisiva.

Comentar