5 de março de 2024
solar
No Brasil Hoje

Potencia GC SolarGC 12,2GW

No Brasil Hoje

Potencia GD SolarGD 26,9GW

Recurso anti-PID nos inversores fotovoltaicos

A ausência de proteção contra o efeito PID pode causar o envelhecimento precoce dos módulos fotovoltaicos

Autor: 16 de julho de 2021fevereiro 4th, 2022Artigos técnicos
4 minutos de leitura
Recurso anti-PID nos inversores fotovoltaicos

Em usinas solares que usam inversores com acoplamento galvânico, o PID pode ser evitado. Foto: Divulgação

O PID (potencial induced degradation, degradação induzida por potencial) é um problema que afeta módulos fotovoltaicos principalmente em usinas centralizadas ou de minigeração, que usam strings longas, com muitos módulos em série. 

O uso de strings longas faz com que os módulos estejam submetidos a potenciais elétricos de grande magnitude em relação à terra, o que pode desencadear o processo de degradação. 

Em resumo, a degradação induzida por potencial é um fenômeno que afeta os módulos fotovoltaicos cristalinos e leva à deterioração e à redução gradual da eficiência. A degradação pode chegar a 30% (em relação à potência inicial) ou mais após alguns anos. 

Alguns fabricantes de módulos já estão adotando medidas que possam minimizar ou praticamente extinguir o efeito PID nos módulos na maior parte das aplicações.

Mesmo assim, as elevadas tensões CC presentes nas strings de usinas solares de médio e grande portes são um fator que favorece a ocorrência do fenômeno. Paralelamente, alguns fabricantes de inversores estão desenvolvendo recursos anti-PID em seus equipamentos. 

Em plantas fotovoltaicas que usam inversores com acoplamento galvânico, o PID pode ser evitado de forma confiável e sem complicações através do aterramento do polo negativo da string. Isso faz com que todos os módulos tenham apenas potencial positivo, ou seja, a diferença de potencial entre qualquer módulo e a terra será sempre positiva – o que evita o efeito PID.

Recurso anti-PID nos inversores fotovoltaicos

Figura 1 – O aterramento do polo negativo evita o efeito PID, mas isso é possível apenas nos inversores com isolação galvânica. Fonte: Solis Inverter

Entretanto, plantas fotovoltaicas que empregam inversores sem transformador (que são a quase totalidade das plantas atualmente) alguns cuidados são necessários para permitir o aterramento do polo negativo da string. 

Estes cuidados são, principalmente, a presença de um sistema de detecção de fuga de corrente para a terra, a realização de teste de isolação entre os polos da string e a terra e ausência de conexão do condutor neutro ao transformador (no lado do inversor).

Se não for possível evitar o aterramento do neutro do lado do inversor, é recomendado o uso de um transformador isolador exclusivo para a conexão entre o inversor e o ponto de acoplamento com a rede elétrica.

A solução empregada em alguns inversores mais modernos é um sistema de reversão do efeito PID. Esta solução aplica uma tensão positiva entre a string fotovoltaica e a terra durante o período noturno, permitindo a reparação dos danos causados durante o dia pelo efeito PID. 

A vantagem desse método anti-PID é que pode ser usado em qualquer tipo de sistema fotovoltaico, independentemente da forma de conexão com a rede elétrica (com ou sem o condutor neutro).

Recurso anti-PID nos inversores fotovoltaicos

Figura 2 – Solução anti-PID adotada em alguns inversores. Fonte: Solis Inverter

As figuras abaixo mostram resultados da atuação do sistema anti-PID descrito acima. A primeira figura ilustra um módulo fotovoltaico danificado.

Os danos são percebidos pela ausência de luz na imagem produzida pelo teste da eletroluminescência reversa. A segunda imagem mostra o estado do módulo após 20 dias de regeneração. A terceira figura mostra o módulo recuperado, com o efeito PID revertido.

Figura 3 – Módulos fotovoltaicos antes, durante e após a aplicação do método de reversão do efeito PID. Fonte: Solis Inverter

A tabela a seguir ilustra as características elétricas do módulo fotovoltaico usado no experimento da figura anterior nestas três condições: antes da reparação, após 20 dias e após 40 dias (módulo completamente regenerado).

O sistema de recuperação do efeito PID é importante principalmente em usinas de minigeração ou geração centralizada que possuem strings longas e trabalham com tensões elevadas do lado CC. Em menor grau, o efeito pode ocorrer também em plantas pequenas. 

Embora os módulos fotovoltaicos mais recentes sejam vendidos com a promessa de serem anti-PID, a presença de um sistema anti-PID nos inversores é muito importante para evitar ou eliminar de forma definitiva a degradação dos módulos fotovoltaicos ao longo do tempo.

A ausência de proteção contra o efeito PID pode causar o envelhecimento precoce dos módulos fotovoltaicos, resultando em perdas econômicas significativas ao longo dos anos.

Equipe de Engenharia do Canal Solar

Equipe de Engenharia do Canal Solar

Equipe de Engenharia do Canal Solar

Comentar

*Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Canal Solar.
É proibida a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes e direitos de terceiros.
O Canal Solar reserva-se o direito de vetar comentários preconceituosos, ofensivos, inadequados ou incompatíveis com os assuntos abordados nesta matéria.