28 de janeiro de 2022
solar
No Brasil Hoje

Potencia GC SolarGC 4.63GW

No Brasil Hoje

Potencia GD SolarGD 8,84GW

Risen lança módulo com estrutura de liga de aço de alta resistência

De acordo com a empresa, o objetivo é mitigar a pegada de carbono inerente do alumínio

Autor: 27 de dezembro de 2021Mundo
Risen lança módulo com estrutura de liga de aço de alta resistência

Aplicação da estrutura de liga de aço é um passo importante nos esforços da companhia. Foto: reprodução

A Risen Energy anunciou o lançamento de um módulo fotovoltaico – com estrutura de liga de aço de alta resistência – para mitigar a pegada de carbono inerente do alumínio.

“Tal estrutura parece, para todos os efeitos práticos, a mesma que a feita de alumínio, mas tem desempenho superior em resistência à corrosão e às intempéries devido ao uso de revestimento de zinco-alumínio-magnésio, bem como tecnologia de tratamento de superfície exclusiva da Risen”, disse a empresa em nota.

Ademais, a fabricante destacou também que a aplicação da estrutura de liga de aço é um passo importante nos esforços contínuos da companhia para facilitar a otimização e transformação do nível da indústria e ao objetivo de atingir a neutralidade de carbono.

“A poluição ambiental e as emissões de dióxido de carbono afetam a todos nós. Simplesmente não é bom o suficiente para nós proclamarmos que estamos causando um impacto na redução desses elementos, fornecendo e usando módulos fotovoltaicos. Devemos fazer mais. Mudar para este painel construído exclusivamente é um passo na direção certa”, ressaltou Luke Sun, presidente da Risen.

Leia mais: Risen lança módulos de alta potência e banco de baterias

“Esse é um marco importantíssimo para o segmento solar. Com este desenvolvimento, a Risen mostra ainda mais seu total interesse e importância na questão da redução de emissão de dióxido de carbono na produção dos módulos fotovoltaicos”, acrescentou Ricardo Marchezini, country manager da Risen Energy Brasil. 

Aço x alumínio

Segundo a Risen, o processamento de aço supera em muito o equivalente de alumínio eletrolítico em termos de emissão de carbono e redução do consumo de energia.

“Por exemplo: 13.500 kWh de energia térmica são necessários para produzir uma tonelada de alumínio, equivalente a 11,2 toneladas de dióxido de carbono (CO2). Da mesma forma, 4.500 kWh de energia e 1,8 toneladas de CO2 correspondentes são necessários para produzir uma tonelada de aço”, afirmou a empresa.

Mateus Badra

Mateus Badra

Atuou como produtor, repórter e apresentador na Bandeirantes e no Metro Jornal. Acompanha o setor elétrico brasileiro há mais de um ano, atuando nas editorias de Mercado e Tendências, Mobilidade Urbana, P&D e Equipamentos. Jornalista graduado pela PUC-Campinas.

Um comentário

Comentar

*Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Canal Solar.
É proibida a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes e direitos de terceiros.
O Canal Solar reserva-se o direito de vetar comentários ofensivos, inadequados ou incompatíveis com os assuntos abordados nesta matéria.