16 de agosto de 2022
solar
No Brasil Hoje

Potencia GC SolarGC 5,61GW

No Brasil Hoje

Potencia GD SolarGD 12,2W

Ministro anuncia ações para criação de novo marco legal do setor elétrico

Ministro de Minas e Energia assumiu o compromisso de elaborar 10 novos projetos de lei até novembro

Autor: 16 de julho de 2022julho 23rd, 2022Setor Elétrico
Ministro anuncia ações para criação de novo marco legal do setor elétrico

Anúncio ocorreu durante a abertura do Fórum Energias Limpas, Renováveis e Emissão Zero 2050

O ministro de Minas e Energia, Adolfo Sachsida, anunciou a criação de quatro grupos de trabalho, em conjunto com as entidades e empresas que integram o setor de energia, para a construção de dez projetos de lei com o objetivo de aperfeiçoar o marco legal energético brasileiro.

O anúncio ocorreu durante a abertura do Fórum Energias Limpas, Renováveis e Emissão Zero 2050, promovido pelo INEL (Instituto Nacional de Energia Limpa) na última quarta-feira (13), em Brasília (DF).

O evento reuniu as principais instituições do setor no país para debater estratégias a fim de alcançar uma matriz energética 100% limpa e sustentável.

Hoje, no Brasil, a participação das fontes renováveis na matriz elétrica nacional representa cerca de 80% do total. Durante o seu discurso, o ministro destacou a importância da agenda ambiental para o governo e convidou os participantes do fórum para discutir, por seis meses, as necessidades do setor.

“É claro que nós discordamos de muita coisa, é natural isso. Mas nós podemos brigar a vida inteira ou sentar juntos por seis meses e encontrar os nossos consensos. Eu me comprometo a, no dia 10 de novembro, pegar 10 projetos de lei que nós vamos construir conjuntamente e levar para a próxima equipe de governo, seja ela quem for”, afirmou Sachsida.

Ainda de acordo com o ministro, serão formados, nos próximos dias, quatro grandes grupos: mineração, óleo e gás, planejamento energético e energia. Heber Galarce, presidente do INEL (Instituto Nacional de Energia Limpa), avaliou a iniciativa do ministro como positiva e de extrema importância. “Ter um compromisso como esse assumido durante um evento com os principais representantes das fontes de energias sustentáveis do país, mostra o comprometimento do governo para atingirmos a meta de emissão zero”, afirmou.

Para o deputado federal Lafayette de Andrada, presidente da FPMels (Frente Parlamentar de Energia Limpas e Sustentável), com 85% da matriz energética renovável, o Brasil precisa agora passar por um processo de modernização. “Nós precisamos promover a regulação, uma legislação que destrave os empreendimentos nesse segmento. O Brasil tem uma vocação natural muito forte para as energias limpas, mas é preciso possibilitar, incentivar novos projetos no setor”, disse.

O fórum contou com a participação da diretora Geral da ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica), Camila Bonfim; do vice-presidente de Governo e Sustentabilidade Ambiental do Banco do Brasil, Antônio Júnior; e do chefe do Programa Regional para a América Latina e Caribe da Irena (Agência Internacional para as Energias Renováveis), Jose Toron.

Outro ponto alto do evento foi a discussão sobre os obstáculos para o desenvolvimento da energia limpa e renovável no Brasil, que contou com a participação da Abiogas (Associação Brasileira do Biogás), da Abren (Associação Brasileira de Recuperação Energética de Resíduos), da Abrapch (Associação Brasileira de Pequenas Centrais Hidrelétricas e Geradoras Hidrelétricas), da ABEEólica (Associação Brasileira de Energia Eólica), da Abragel (Associação Brasileira de Geração de Energia Limpa) e da ABVE (Associação Brasileira do Veículo Elétrico).

Ericka Araújo

Ericka Araújo

Head de jornalismo do Canal Solar. Apresentadora do Papo Solar. Desde 2020, acompanha o mercado fotovoltaico. Possui experiência em produção de podcast, programas de entrevistas e elaboração de matérias jornalísticas. Em 2019, recebeu o Prêmio Jornalista Tropical 2019 pela SBMT e o Prêmio FEAC de Jornalismo.

2 comentários

Comentar

*Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Canal Solar.
É proibida a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes e direitos de terceiros.
O Canal Solar reserva-se o direito de vetar comentários preconceituosos, ofensivos, inadequados ou incompatíveis com os assuntos abordados nesta matéria.