24 de maio de 2022
solar
No Brasil Hoje

Potencia GC SolarGC 4.98GW

No Brasil Hoje

Potencia GD SolarGD 10,7W

TCU aponta falhas do governo no combate à crise energética

Tribunal de Conta da União avalia que as medidas adotadas foram tomadas sem estimativa de impactos tarifários

Autor: 17 de janeiro de 2022janeiro 18th, 2022Brasil
TCU aponta falhas do governo no combate à crise energética

Órgão identificou que não houve investigação das causas estruturais e conjunturais. Foto: reprodução

O TCU (Tribunal de Contas da União) concluiu não haver um plano estratégico de contingência para situações críticas, por parte do governo e órgãos do setor elétrico, para enfrentamento da crise energética.

Segundo a Auditoria, as medidas adotadas foram tomadas de maneira “açodada”, com pouco previsibilidade e sem estimativa de impactos tarifários ao consumidor.

“Constataram-se falhas no planejamento das ações, que tiveram foco no aumento da oferta de energia, sem a devida atenção para medidas de redução da demanda”, disse o relatório do TCU, de autoria do ministro Benjamin Zymler.

Ademais, o Órgão identificou que não houve investigação das causas estruturais e conjunturais que concorreram para a crise hidroenergética.

As conclusões integram uma fiscalização realizada pelo Tribunal para acompanhar e avaliar as ações do governo frente à crise energética de 2020/2021. O acompanhamento foi feito entre junho e dezembro de 2021.

O MME (Ministério de Minas e Energia), em resposta a tais considerações do TCU, comentou que está analisando o relatório e está em conversas com o tribunal para esclarecer todas as questões apontadas.

Falhas

Além das falhas apontadas na execução e na comunicação das medidas adotadas sob a ótica da demanda, foi relatada uma falha no leilão simplificado e emergencial de energia, que contratou energia ao custo de R$ 39 bilhões. Segundo a Auditoria, o mesmo foi executado em tempo mais curto do que seria recomendável.

“Incorrendo em diversos riscos ao seu sucesso, tendo em vista que o cronograma
previsto indicava que os vencedores deveriam assinar seus contratos em novembro de 2021 para colocar os empreendimentos em operação em 01/05/2022″, pontuou o relatório;

Consumidor penalizado

No que concerne à estimativa de impactos tarifários das medidas adotadas para o enfrentamento da crise, foi verificado que o impacto das decisões tomadas até então implica elevado custo para o consumidor.

Além disso, constatou-se que as medidas foram implementadas sem a necessária previsão antecipada dos impactos tarifários aos consumidores.

Conforme noticiado pelo Canal Solar, as ações emergenciais do Governo para evitar o racionamento de energia, por exemplo, culminaram na elevação da conta de luz dos brasileiros.

No entendimento da ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica), o reajuste foi preciso para compensar o gasto com medidas excepcionais, como o acionamento das usinas térmicas.

Leia mais: Conta de luz ficará mais cara em 2022, informa ANEEL

Inclusive, esta alta, impulsionada pela crise hídrica, deve provocar a perda de cerca de 290 mil empregos em 2022, segundo estudo publicado pela CNI (Confederação Nacional da Indústria).

MP 1.078/2021

O TCU ainda comentou ser necessário lembrar que a MP 1.078/2021 não somente autorizou a contratação de operação financeira para cobrir impactos financeiros decorrentes da situação de escassez hídrica, “mas também incluiu em seu bojo diferimentos aplicados em processos tarifários anteriores à liberação dos recursos da operação financeira”.

“Por conseguinte, de alguma maneira começa-se a formar um acúmulo de aumentos tarifários já em razão de processos tarifários anteriores, Conta Covid e decisões tomadas durante a crise hidroenergética”, acrescentou a pesquisa.

Causas estruturais

Com relação às causas estruturais, a equipe de auditoria, disse que em reiteradas oportunidades, questionou os responsáveis a respeito dos motivos – além da hidrologia negativa – que contribuíram para o agravamento da crise.

“Porém, as respostas demonstraram que não houve ainda um estudo circunstanciado a respeito, tampouco há consenso sobre o assunto, o que pode dificultar o êxito da identificação das intervenções necessárias a serem realizadas e de uma superveniente política pública para o setor”, enfatizaram.

Determinações e recomendações ao MME

O Tribunal de Contas da União, ao final do relatório, deu algumas determinações e recomendações ao MME.

Determinações 

  • Elaborar plano estratégico de contingência para o enfrentamento de crises hidroenergéticas;
  • Elaborar estudo para identificar e propor soluções para as causas que levaram ao risco do desequilíbrio entre demanda e oferta de energia;
  • Apresentar avaliação da vantajosidade de nova operação de crédito às distribuidoras diante da utilização de RTEs (Revisões Tarifárias Extraordinárias) e realize estudo sobre a vantajosidade de inclusão dos diferimentos tarifários;
  • À ANEEL, definir mecanismo que tenha o “condão de manter sinal econômico do preço da energia para o consumidor de energia elétrica”.

Recomendações 

  • Ao MME, realizar estudo para avaliação individualizada da economicidade e efetividade das medidas adotadas para enfrentamento da crise e avalie os resultados obtidos pelo Programa de Incentivo à Redução Voluntária do Consumo de Energia Elétrica, em especial a respeito de erros de faturamento eventualmente cometidos;
  • À ANEEL, para que faça análise dos resultados do Programa de Redução Voluntária do Consumo utilizando conceitos de economia comportamental.
Mateus Badra

Mateus Badra

Atuou como produtor, repórter e apresentador na Bandeirantes e no Metro Jornal. Acompanha o setor elétrico brasileiro há mais de dois anos, atuando nas editorias de Mercado e Tendências, Mobilidade Urbana, P&D e Equipamentos. Jornalista graduado pela PUC-Campinas.

Comentar

*Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Canal Solar.
É proibida a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes e direitos de terceiros.
O Canal Solar reserva-se o direito de vetar comentários preconceituosos, ofensivos, inadequados ou incompatíveis com os assuntos abordados nesta matéria.