4 de março de 2024
solar
No Brasil Hoje

Potencia GC SolarGC 12,2GW

No Brasil Hoje

Potencia GD SolarGD 26,9GW

Empreendimento do RS investe em BIPV para reduzir conta condominial

Condomínio residencial de Caxias do Sul irá utilizar a tecnologia FV para suprir o fornecimento de energia das áreas comuns

Autor: 21 de setembro de 2022Projetos
2 minutos de leitura
Empreendimento do RS investe em BIPV para reduzir conta condominial

Condomínio de Caxias do Sul terá placas solares arquitetônicas. Foto: Reprodução

Visando economia e sustentabilidade, um condomínio residencial localizado em Caxias do Sul (RS) está apostando nas soluções para BIPV (Building Integrated Photovoltaics – Integração Fotovoltaica na Construção Civil).

De acordo com a Construesse Construtora e Incorporadora, responsável pelo projeto do Bosco Esposizione, o mesmo terá painéis solares arquitetônicos na fachada frontal norte e na cobertura.

No total, o sistema, de 44 kWp, é composto por 341 módulos da Kromatix e um inversor SE33.3K da SolarEdge. Além disso, a usina terá uma geração anual de 32,47 MWh e um PR (Performance Ratio) de 70%.

Somados, os equipamentos suprirão o fornecimento de energia na área condominial, deixando de emitir cerca de 15 toneladas de CO2 por ano, o equivalente ao plantio anual de 700 árvores.

Segundo a empresa, o empreendimento também terá sistema de reutilização de água da chuva para irrigação dos jardins e para as bacias sanitárias da área condominial e das unidades, com uma estimativa de economia de até 50% na conta de água da área de lazer e até 20% na conta de água dos apartamentos.

O edifício está em processo de certificação pelo Green Building Council Brasil, com o selo GBC Brasil Condomínio. O GBC é uma instituição certificadora internacionalmente reconhecida que avalia diretrizes como a escolha do terreno e o desenvolvimento do projeto até a concepção final da obra.

Importância do BIPV

Ana Lúcia Sebben, diretora da Construesse, destacou a importância de utilizar a tecnologia de BIPV para, além de ter preenchimento estético, proporcionar uma redução na conta de luz dos moradores.

“Com a inovação do BIPV, ao invés de utilizarmos granito ou mármore, por exemplo, utilizamos um material que está trazendo um benefício econômico para quem está morando”, enfatizou.

‘BIPV é o mercado que mais cresce no mundo’, diz especialista

“Toda parte condominial, composta por salão de festa, academia, piscina, brinquedoteca e etc, será suprida através do fotovoltaico na cobertura e na fachada”, ressaltou Ana Lúcia.

Portanto, segundo ela, praticamente o edifício não terá conta de energia na área condominial. “Estamos falando de um prédio que tem somente 19 apartamentos”.

“É um empreendimento bem exclusivo, onde teríamos um custo condominial muito alto se não tivéssemos toda essa tecnologia empregada para reduzir os gastos com eletricidade”, concluiu.

Mateus Badra

Mateus Badra

Jornalista graduado pela PUC-Campinas. Atuou como produtor, repórter e apresentador na TV Bandeirantes e no Metro Jornal. Acompanha o setor elétrico brasileiro desde 2020. Atualmente, é Analista de Comunicação Sênior do Canal Solar e possui experiência na cobertura de eventos internacionais.

Comentar

*Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Canal Solar.
É proibida a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes e direitos de terceiros.
O Canal Solar reserva-se o direito de vetar comentários preconceituosos, ofensivos, inadequados ou incompatíveis com os assuntos abordados nesta matéria.