26 de maio de 2022
solar
No Brasil Hoje

Potencia GC SolarGC 4.99GW

No Brasil Hoje

Potencia GD SolarGD 10,7W

Empresas de energia solar têm dificuldades para liberar cargas junto à Receita Federal

Fontes informaram ao Canal Solar que estão tendo muitos canais vermelhos e um alto custo de perícia

Autor: 23 de fevereiro de 2022Brasil
Empresas de energia solar têm dificuldades para liberar cargas junto à Receita Federal

Esta situação vem se arrastando desde o último trimestre do ano passado

Fiscais da Receita Federal estão dificultando o desembaraço de equipamentos para sistemas de energia solar que possuem Ex-tarifários no Brasil, segundo fontes ouvidas pelo Canal Solar. 

Estas situações estão ocorrendo em diversos locais, tais como: Santos (SP), Itajaí (SC) e São Luís (MA).

Além disso, esta situação vem se arrastando desde o último trimestre do ano passado e, segundo relatos, a incidência aumentou ainda mais no começo deste ano.

De acordo com essas fontes, que pediram para não ter seus nomes revelados por receio de sofrerem maiores represálias pelos fiscais, as importações de módulos que possuem direito ao benefício do Ex-tarifário estão parando no canal vermelho bem mais do que o normal.

“Empresas fornecedoras de equipamentos fotovoltaicos estão à mercê desta classe que não estão dando a mínima importância para os prejuízos causados por causa da paralisação de vários processos nos portos do Brasil”, disse uma das fontes. 

Quando os registros de DI (Declaração de Importação) entram em canal vermelho, o SID (Sistema de Desembaraço Fiscal Eletrônico) exige a conferência dos documentos vinculados ao processo de importação. Durante este processo, além da conferência documental, é obrigatoriamente realizada a vistoria física da carga. 

Ou seja, é feita a abertura de contêineres e/ou volumes para verificação minuciosa das características da mercadoria ali presente, bem como pesos, quantidades, especificações e classificação fiscal. Após a verificação dos documentos de transporte, se não houver nenhuma pendência, o SID vai atribuir o canal verde para essa DI (declaração de importação).

Segundo as fontes, este processo está sendo dificultado pelos auditores. Ademais, elas informaram ao Canal Solar, o período de espera para liberação da carga, na melhor das hipóteses, está entre 15 e 20 dias, e em alguns casos está levando até 2 meses para a liberação da carga. 

Toda esta lentidão em liberar os equipamentos impacta na programação de entrega de mercadorias para os clientes, o que acaba ocasionando atrasos na entrega final de projetos fotovoltaicos.

“A carga chegou dia 24 de janeiro, no dia 26 deu canal vermelho. Só pra ser atribuída para um fiscal demorou 10 dias, depois disso mais 8 dias para vistoria e, depois da vistoria, passaram-se mais 5 dias sem resposta alguma, depois de muita insistência de nossa parte o fiscal informou que tinha que fazer a vistoria novamente pois tinha esquecido de tirar uma foto da etiqueta da placa”, relatou uma das fontes.

Outro ponto destacado é o custo que todo este processo acarreta, uma vez que os laudos exigidos pelos fiscais devem ser elaborados por engenheiros autorizados pela Receita Federal. Este custo gira em torno de R$ 20 mil a 30 mil por perícia.

Além disso, uma das fontes relatou que durante a espera para emissão de laudos e a liberação da carga, o importador ainda arca com os custos de demurrage (valor pago pelo importador devido ao descumprimento de cláusula constante no conhecimento de transporte marítimo) e com o altíssimo custo de armazenagem.

Ainda de acordo com os relatos destas fontes, os auditores estão dificultando o processo de liberação procurando problemas onde não existe. “Em alguns casos, eles usam ferramentas de medições ultrapassadas. Por exemplo, eles medem um módulo e dizem que a medida dele é 1133 mm e que para liberar o Ex-tarifário é preciso que ele meça 1135 mm”, contou.

Os custos dos produtos aumentam significativamente e acabam prejudicando o importador e o consumidor final. Os relatos levam a crer que a Receita Federal ou não tem estrutura técnica e operacional para realizar tais fiscalizações ou está simplesmente ignorando os problemas causados para os importadores por sua morosidade e ineficiência. 

É de se concordar que o papel da Receita é de fiscalizar. O questionamento é o tempo tomado e a forma que esta fiscalização tem sido feita, acarretando em custos abusivos que são somados ao processo como um todo.

Ericka Araújo

Ericka Araújo

Desde 2020, acompanha o mercado fotovoltaico. Possui experiência em produção de podcast, programas de entrevistas e elaboração de matérias jornalísticas. Em 2019, recebeu o Prêmio Jornalista Tropical 2019 pela SBMT (Sociedade Brasileira de Medicina Tropical) e o Prêmio FEAC de Jornalismo. Já atuou como repórter e apresentadora da Rádio Brasil Campinas. Formada pela PUC Campinas.

3 comentários

  • Adriano Silva disse:

    Prezados,
    
Existe algo muito estranho nos processos de importação de equipamentos solares. Os fiscais estão interferindo no sistema de parametrização de canais do SISCOMEX para dificultar a vida dos importadores de equipamentos solares. Além disso, os fiscais de diversas unidades alfandegarias estão levando mais de um mês para nomearem peritos. O normal é de 24 a 48 horas. Não sei se trata de uma manobra dos fiscais para prejudicar a matriz energética limpa no Brasil ou se é um tratamento dado pela greve anunciada no ano passado. O fato é que todos os importadores de equipamentos solares estão sendo prejudicados. O Secretário da Receita Federal deve tomar a iniciativa de se pronunciar nesses casos.

  • R$ 20 mil a 30 mil por perícia. Um absurdo e em desacordo com a INSTRUÇÃO NORMATIVA RFB Nº 1800, DE 21 DE MARÇO DE 2018. Você deveria rever o seu Despachante Aduaneiro.

  • Anderson disse:

    Excelente matéria, os fiscais da receita federal abusam de suas funções, e falta muito comprometimento deles com suas funções e da importância para o País! Ganham excelentes salários e benefícios e não fazem por onde, isso é represalia, por causa que o Governo não vai dar aumento! O que acho muito justo, enquanto milhares perderam o emprego nesses últimos anos

Comentar

*Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Canal Solar.
É proibida a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes e direitos de terceiros.
O Canal Solar reserva-se o direito de vetar comentários preconceituosos, ofensivos, inadequados ou incompatíveis com os assuntos abordados nesta matéria.