20 de setembro de 2021
solar
No Brasil Hoje

Potencia GC SolarGC 3,83GW

No Brasil Hoje

Potencia GD SolarGD 6,90GW

Carrinho

Energia solar no agronegócio impulsiona a transição energética

Como a fonte fotovoltaica no setor destaca a relevância do uso das energias renováveis

Autor: 10 de maio de 2021Opinião
Energia solar no agronegócio impulsiona a transição energética

No início do ano, o governo da França liberou um plano para a instalação de aproximadamente 44,5 GW de energia solar no país até o ano de 2028, de acordo com Alexandre Roesch, CEO do SER (Syndicat des Énergies Renouvelables). 

Os números de fevereiro de 2019 alertaram que o país deve dobrar sua capacidade solar fotovoltaica instalada atual até 2023, para cumprir as metas climáticas estabelecidas. 

Mais recentemente, a RTE, operadora da rede elétrica local, disse que uma desaceleração na atividade econômica relacionada à pandemia causada pelo Covid-19, acabou criando uma desaceleração na implantação de energia solar.

Roesch, afirma que os sistemas fotovoltaicos podem se tornar um grande fator impulsionador para o setor agrícola da França, à medida que os desenvolvedores de projetos renováveis buscam adicionar maior capacidade instalada nesse setor. Todavia, encontrar terra disponível é o maior desafio dessa equação.

Uma possível solução que está sendo considerada atualmente, é tentar combinar terras agrícolas existentes com o uso de energia solar. Em dezembro do ano passado, o SER publicou um relatório explorando vários exemplos de sistemas solares na agricultura. O relatório considera estudos de caso de usinas de solo na criação de ovelhas, cultivo de vinhas, frutas, vegetais e também na piscicultura.

A fabricante SAJ reconhece o potencial do setor de agronegócio. Os inversores da marca dispõem de tecnologia moderna, design inovador, oversize de potência de entrada de até 50% da potência nominal, assim como um excelente diferencial e apelo de vendas, através da garantia de 5+5 anos em toda linha da família R5.

A família R5 oferece uma gama de potências que variam de 0,7 kW a 20 kW. Para projetos maiores, a SAJ também conta com a linha Suntrio Plus, que oferece equipamentos de até 60kW de potência nominal. Toda essa tecnologia disponibilizada pela SAJ, pode ser usada nos mais variados tipos de projetos, especialmente nos projetos rurais.

A fabricante entende a importância e relevância que o agronegócio tem na economia dos países, principalmente no caso da economia brasileira. Não é novidade que o nosso país é conhecido como um grande celeiro que alimenta o mundo. 

Fazer uso de energia limpa e sustentável, como a fonte solar fotovoltaica, além de contribuir para a redução dos gases do efeito estufa, contribui na redução do custo de produção dos alimentos provenientes desse tão importante setor.

Leia também: Energia solar no campo: alimento mais barato na mesa

As boas ideias e planos dos países desenvolvidos, como a França, deveriam igualmente ser seguidas pelos países ainda em desenvolvimento. O Brasil tem um potencial enorme na agricultura, o que já nos conclama referência mundial nesse setor, sem falar na abundância de sol e de terras férteis e aráveis que a natureza nos premiou.

Além do mais, temos também um povo trabalhador e empreendedor por natureza e necessidade. O que precisamos para avançar em velocidade de cruzeiro na aplicação massiva de energia solar nos campos, são de políticas públicas eficazes, incentivos substanciais e de maior clareza jurídica nas regras vigentes, para que isso favoreça e incentive investidores nacionais e estrangeiros a aplicarem seu capital no setor.

A tentativa dos lobistas de implantarem falácias no Congresso Nacional para que a energia solar sofra um revés através da PL 5829, atualmente em discussão no congresso brasileiro, é uma das forças contrárias que devemos combater para que o Brasil deixe de ser o eterno país do futuro.

Alysson Camilo

Alysson Camilo

Formado em Administração de Empresas, pós-graduado em Gestão Estratégica de Negócios pela Universidade Mackenzie e também com formação acadêmica na Austrália entre 2000 a 2002. Atua no mercado solar fotovoltaico brasileiro desde 2013. Teve importante participação nos startups da ABB, Renesola e da Astronergy/CHINT para o mercado local.

Comentar