25 de fevereiro de 2024
solar
No Brasil Hoje

Potencia GC SolarGC 12,2GW

No Brasil Hoje

Potencia GD SolarGD 26,8GW

Hidrogênio verde usa menos água do que o hidrogênio azul, aponta relatório

Segundo a análise, a demanda global de água para o hidrogênio está programada para triplicar até 2040 e aumentar seis vezes até 2050

Autor: 15 de dezembro de 2023Hidrogênio Verde
4 minutos de leitura
Hidrogênio verde usa menos água do que o hidrogênio azul, aponta relatório

Foto: Envato Elements

A IRENA (Agência Internacional de Energia Renovável) e a Bluerisk, especialista global em avaliação e gestão de riscos hídricos, realizaram uma análise que afirma que a produção de H2V (Hidrogênio Verde) utiliza quase um terço a menos de água por quilo do que o H2A (hidrogênio azul).

O relatório “Water for Hydrogen Production” recomenda que as usinas de produção de hidrogênio que são sustentadas por combustíveis fósseis sejam retiradas globalmente. 

Um projeto de lei recém-aprovado na Câmara dos Deputados, visa regular esse setor, e admite o uso de usinas térmicas a gás natural para produzir hidrogênio, mas o texto será analisado pelo Senado.

“Nossa análise joga luz sobre um aspecto frequentemente negligenciado do papel do hidrogênio na transição energética: o impacto hídrico da produção de hidrogênio limpo”, disse Ute Collier, diretora interina do Centro de Conhecimento, Política e Finanças da IRENA.

Para a diretora, “algumas formas de produção de hidrogênio que buscam reduzir as emissões de gases de efeito estufa, na realidade, aumentarão o risco de estresse hídrico em escala local, incluindo o fato de que o hidrogênio verde é a melhor escolha para ajudar a alcançar a meta climática de (aquecimento global de) 1,5°C do mundo”.

O estudo destaca que o H2V é uma opção de combustível mais sustentável comparado aos combustíveis fósseis. Ele precisa apenas de dois componentes para ser produzido – água e energia, (no caso de fontes renováveis). Essa tecnologia, ao ser consumida, não produz resíduos, a não ser o vapor d’água.

Segundo a análise, a demanda global de água para o hidrogênio está programada para triplicar até 2040 e aumentar seis vezes até 2050. O hidrogênio que mais precisa desse recurso é o que é feito a partir do CCS (carvão com sistemas de captura e armazenamento de carbono), que tem uma intensidade de água mais de duas vezes superior à do hidrogênio verde.

“Sistemas de captura e armazenamento de carbono podem fazer com que a demanda de água para a produção de hidrogênio alcance níveis alarmantes. Adicionar CCS a uma usina de carvão que produz aproximadamente 230 quilotoneladas de hidrogênio anualmente exigiria um volume de água que poderia sustentar toda a população de Londres por meio ano”, explica Tianyi Luo, diretor da Bluerisk.

“Os resultados são claros: os formuladores de políticas devem priorizar o hidrogênio verde acima de tudo, especialmente em regiões com escassez de água”, complementa.

O relatório destaca a necessidade de incorporar considerações sobre a água no planejamento e na aprovação de projetos de hidrogênio. Isso se deve ao fato de que mais de um terço dos projetos de produção de hidrogênio verde e azul, seja em fase de planejamento ou já em operação, estão situados em áreas altamente propensas à escassez de água. 

Essa situação expõe tais projetos ao risco de enfrentar interrupções e incertezas relacionadas a regulamentações ambientais caso a gestão da demanda de água não seja realizada de maneira adequada. Isso é especialmente evidente em regiões como o Nordeste, onde estão previstos planos para a instalação de plantas de hidrogênio verde.

O relatório também destaca que o hidrogênio verde também promete reduzir cada vez mais a dependência de água com a adoção de resfriamento a ar e melhorias na eficiência da eletrólise, uma vez que um aumento de 1% na eficiência da eletrólise resulta em uma redução de 2% nos requisitos de água.

Yvana Leitão

Yvana Leitão

Produtora do Podcast Papo Solar. Possui experiências em matérias jornalistas para revista e para site, e entrevistas. Graduanda em jornalismo pela Escola Superior de Administração, Marketing e Comunicação de Campinas.

Comentar

*Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Canal Solar.
É proibida a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes e direitos de terceiros.
O Canal Solar reserva-se o direito de vetar comentários preconceituosos, ofensivos, inadequados ou incompatíveis com os assuntos abordados nesta matéria.