2 de dezembro de 2021
solar
No Brasil Hoje

Potencia GC SolarGC 4.47GW

No Brasil Hoje

Potencia GD SolarGD 7,33GW

Mercado global de armazenamento atingirá 358 GW até 2030

BNEF estima que os EUA e a China vão liderar, reivindicando mais da metade das instalações globais

Autor: 18 de novembro de 2021Mundo
Mercado global de armazenamento atingirá 358 GW até 2030

Mercado de armazenamento de energia está crescendo no mundo. Foto: divulgação/BNEF

As instalações de armazenamento de energia no mundo atingirão 358 GW até o final de 2030, mais de vinte vezes do que os 17 GW no final de 2020, de acordo com o Global Energy Storage Outlook – estudo realizado pela BloombergNEF (BNEF).

Segundo a empresa de pesquisa, este boom exigirá mais de US$ 262 bilhões em investimentos. O relatório destacou ainda que os Estados Unidos e a China são os dois maiores mercados, representando mais da metade das instalações de armazenamento até os próximos dez anos.

De acordo com a companhia, as ambições de energia limpa dos governos estaduais e utilitários impulsionam a implantação de baterias nos EUA. Na China, a meta de instalação de 30 GW de construção cumulativa até 2025 e regras de integração renováveis ​​mais rígidas irão aquecer ainda mais este segmento.

Outros mercados importantes incluem Índia, Austrália, Alemanha, Reino Unido e Japão. Políticas de apoio, compromissos ambiciosos de clima e a necessidade crescente de recursos flexíveis são os fatores que alavancarão o setor.

Regionalmente, a BNEF apontou que a Ásia-Pacífico liderará a capacidade na base de megawatt até 2030, mas as Américas construirão mais na base de megawatt-hora.

A Europa, Oriente Médio e África estão atrás de seus homólogos devido à falta de políticas e incentivos de armazenamento direcionados. O estudo indicou também que o crescimento na região pode acelerar à medida que a penetração das renováveis ​​aumenta, mais geradores de combustível fóssil saem e a cadeia de abastecimento da bateria se torna mais localizada.

“O mercado global de armazenamento está crescendo a um ritmo sem precedentes. Os custos decrescentes das baterias e o aumento da penetração das renováveis ​​tornam o armazenamento um recurso flexível e atraente em muitos sistemas de energia”, disse Yiyi Zhou, especialista em energia limpa da BNEF e principal autor da pesquisa.

Na visão de Zhsou, tais projetos estão crescendo em escala, aumentando a duração do despacho e estão cada vez mais associados às renováveis. A previsão da BloombergNEF sugere que a maior parte, ou 55%, do armazenamento construído até 2030 será para fornecer transferência de energia – principalmente, solar com baterias, que estão se tornando ainda mais comuns no mundo.

Leia mais: Voltalia anuncia projeto que combina solar com baterias

Mais dados

Outro ponto ressaltado é que as baterias instaladas pelo cliente, tanto residenciais quanto comerciais e industriais, também crescerão em um ritmo constante. A Alemanha e o Japão são atualmente os principais países, com mercados consideráveis ​​na Austrália e nos EUA.

A BNEF espera que o armazenamento de energia localizado em residências e empresas represente cerca de um quarto das instalações neste segmento até 2030. O desejo dos consumidores de usar mais energia solar é um dos principais impulsionadores.

Outras aplicações, como o uso de armazenamento para adiar o investimento na rede, podem permanecer marginais na maioria dos mercados até 2030. A construção pode aumentar, se as barreiras regulatórias forem removidas e os incentivos forem alinhados para que os proprietários de rede considerem o armazenamento como uma alternativa ao investimento em infraestrutura tradicional.

“Esta é a década do armazenamento. Há muitos anos que antecipamos um aumento de escala significativo e a indústria agora está mais que pronta para entregar”, acrescentou Yayoi Sekine, chefe de energia descentralizada da BNEF.

Ademais, enfatizou que a tecnologia de bateria em rápida evolução está impulsionando o setor. De acordo com o relatório, a indústria está adotando vários produtos químicos para baterias de íons de lítio. Em 2021, o fosfato de lítio-ferro (LFP) será usado mais do que o níquel-manganês-cobalto (NMC) para armazenamento estacionário pela primeira vez.

No caso, o LFP se tornará a principal escolha química para baterias de íon-lítio no setor de armazenamento até pelo menos 2030, impulsionada por seu papel dominante na China e crescente penetração no resto do mundo.

O Global Energy Storage Outlook também atualizou sua perspectiva de tecnologia para incluir baterias de íon de sódio, que pode desempenhar um papel significativo em 2030.

Outras tecnologias

O estudo indicou ainda que muitas tecnologias estão em desenvolvimento, como ar comprimido e armazenamento de energia térmica. Muitos deles podem fornecer uma duração de despacho mais longa em comparação com as baterias, procurando fornecer durante períodos prolongados de baixa geração de energia renovável em futuros sistemas de potência zero.

No entanto, a BNEF espera que as baterias dominem o mercado pelo menos até a década de 2030, em grande parte devido à sua competitividade de preços, cadeia de suprimentos estabelecida e histórico significativo. “Se as novas tecnologias superarem o íon-lítio com sucesso, então a absorção total pode muito bem ser maior”, concluiu a BloombergNEF.

Mateus Badra

Mateus Badra

Atuou como produtor, repórter e apresentador na Bandeirantes e no Metro Jornal. Acompanha o setor elétrico brasileiro há mais de um ano, atuando nas editorias de Mercado e Tendências, Mobilidade Urbana, P&D e Equipamentos. Jornalista graduado pela PUC-Campinas.

Comentar