20 de setembro de 2021
solar
No Brasil Hoje

Potencia GC SolarGC 3,83GW

No Brasil Hoje

Potencia GD SolarGD 6,90GW

Carrinho

Moradora do Pantanal ganha sistema fotovoltaico com baterias

Iniciativa faz parte do Ilumina Pantanal, programa que levará energia para cerca de 5 mil habitantes

Autor: 30 de julho de 2021Brasil
Moradora do Pantanal ganha sistema fotovoltaico com baterias

Conforme anunciado pelo Canal Solar, os moradores de regiões remotas do Pantanal começaram a ter acesso à energia elétrica a partir de julho.  

Isso porque o projeto Ilumina Pantanal oficializou, na semana passada, durante cerimônia realizada em Porto de São Pedro, a instalação de um sistema fotovoltaico – com quatro painéis de silício policristalino de 345 Wp da BYD – e armazenamento em baterias na residência de Enaurina da Silva Rodrigues, de 59 anos.

Nascida e criada na região do Paiaguás, Enaurina integra os mais de 5 mil moradores que irão receber sistemas em suas residências, em que o excedente de energia solar gerado é armazenado para dar continuidade ao fornecimento à noite ou em dias chuvosos e nublados. 

“Com a chegada da eletricidade, muita coisa mudou. Ganhei uma geladeira da Energisa e agora tenho água gelada para tomar, as comidas não estragam mais, posso assistir a tevê que ganhei do meu sobrinho. Só não preciso mesmo é do ventilador porque sou pantaneira, acostumada com o clima daqui”, contou Enaurina. 

“O fornecimento de energia por fonte renovável ao Pantanal sul-mato-grossense é resultado de investimento em inovação, que traz as mais avançadas tecnologias para desenvolver esta solução pioneira que respeita o meio ambiente”, afirmou Marcelo Vinhaes, diretor-presidente da Energisa Mato Grosso do Sul.  

Para Bento Albuquerque, ministro de Minas e Energia, o projeto traz dignidade, perspectivas e sustentabilidade ao Pantanal. “Trata-se de uma recompensa das políticas públicas que visam o bem-estar social”, ressaltou. 

Segundo Reinaldo Azambuja, governador do Mato Grosso do Sul, a parceria entre os agentes públicos e privados foi fundamental para a universalização do serviço na região. “É um ganho de qualidade de vida, de desenvolvimento social, de progresso e incremento para o turismo e outras atividades econômicas”.

Já Ricardo Botelho, presidente da Energisa, comentou que tal programa é uma prova de que pode-se aliar a preocupação com o meio ambiente com as políticas públicas bem definidas para produzir resultados favoráveis aos consumidores, mesmo nos locais mais difíceis de serem alcançados.

Foram utilizados 4 painéis de silício policristalino de 345 Wp da BYD. Foto: Chico Ribeiro

Energia impulsionará produção rural no Pantanal

Outro ponto a se destacar é que o projeto impulsionará a produção rural no Pantanal. De acordo com Armando Carlos de Lacerda, proprietário da fazenda Porto São Pedro, a iniciativa vai transformar a localidade pantaneira em um ambiente fértil para o desenvolvimento sustentável das famílias que vivem ali. 

“A universalização representa modernidade e, definitivamente, nos tira da escuridão e da invisibilidade”, destacou. A fazenda está situada próxima ao eixo logístico Paiaguás, por onde são transportadas as cargas que utilizam o porto como plataforma multimodal de conexão com navios para transporte de gado. 

Ademais, a Reserva Particular do Patrimônio Natural Acurizal, onde funciona uma das bases do IHP (Instituto Homem Pantaneiro) também receberá sistemas de geração e armazenamento de energia, que deverá ser concluído em setembro. 

A chegada da energia é fundamental, por exemplo, para ampliar e aprimorar as pesquisas científicas sobre a fauna da região, em especial as onças-pintadas, realizadas pela instituição. O insumo facilitará o dia a dia dos pesquisadores, como a manutenção do banco de dados e o manuseio do colar de identificação dos animais.

Sobre o projeto

O Ilumina Pantanal é uma parceria do Grupo Energisa com o estado do Mato Grosso do Sul e o Governo Federal, por meio do MME (Ministério de Minas e Energia) e a  ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica). 

Até 2022, o programa levará energia elétrica a 2.167 unidades consumidoras, o que representa em torno de 5 mil habitantes espalhados por uma área de 90 mil km², nos municípios de Corumbá, Aquidauana, Coxim, Ladário, Porto Murtinho, Rio Verde e Miranda.

Desse grupo, 77 famílias já são atendidas pela rede de distribuição convencional, e agora começam a ser implementados para os demais os sistemas individuais de geração solar. 

Em todas as unidades consumidoras haverá a instalação básica de elétrica predial, com tomadas e lâmpadas de LED, mais eficientes e econômicas. Ao todo, a Energisa e o Governo Federal estão investindo R$ 134 milhões no projeto. 

Mateus Badra

Mateus Badra

Trabalhou como produtor, repórter e apresentador na Bandeirantes e no Metro Jornal. Acompanha o setor elétrico brasileiro há mais de um ano, atuando nas editorias de Mercado e Tendências, Mobilidade Urbana, P&D e Equipamentos. Jornalista graduado pela PUC-Campinas.

Comentar