Nordeste ganha corredor para recarga de veículos elétricos

Serão mais de 1.100 km de extensão e uma estrutura que contará com 18 pontos de abastecimento

A Neonergia, especializada em geração, distribuição, transmissão e comercialização de energia elétrica, anunciou que está construindo o primeiro corredor de mobilidade elétrica do Nordeste. A expectativa é que a estrutura seja concluída até o final do primeiro semestre de 2021. O Corredor Verde, como foi denominado, irá conectar as capitais Salvador (BA) e Natal (RN), passando pelas cidades de Aracaju (SE), Maceió (AL), Recife (PE) e João Pessoa (PB). Ao total, serão mais de 1,1 mil km de extensão e uma estrutura que contará com 18 pontos de abastecimento ao longo das vias que ligam os estados e em áreas urbanas. Após concluído, o projeto deve abranger seis dos nove estados do Nordeste, passando por 70 municípios e contribuindo para que milhares de pessoas possam aderir à mobilidade elétrica de forma mais sustentável, segundo a empresa. “Esse é um importante desafio para a Neoenergia, pois iremos elaborar um modelo de negócio para viabilização e funcionalidade do Corredor Verde. Reconhecemos a importância de garantir o desenvolvimento sustentável através de medidas voltadas ao combate das mudanças climáticas e o investimento em mobilidade elétrica faz parte desse compromisso”, destacou José Brito, gerente corporativo de Pesquisa e Desenvolvimento da Neoenergia. “Afinal, o uso do carro elétrico diminui a emissão de gases de efeito estufa, contribuindo para a descarbonização do planeta. Estudamos, ainda, associar as estações de recarga com energia solar, uma importante fonte renovável e não poluente”, acrescentou.

Outras inovações

O projeto da Neonergia abrange também a criação de softwares que irão colaborar para a gestão e uso da eletrovia. De acordo com a companhia, os motoristas poderão acessar um aplicativo no qual apresentará informações sobre reserva de veículos, localização das estações e pagamento. Ademais, está em andamento um laboratório de experimentação criado para analisar cenários de eventuais tarifações que venham a ser cobradas dos usuários dos veículos em uma possível abertura dos eletropostos para o público em geral. “O nosso objetivo é tornar o Corredor Verde comercialmente viável, por isso o nosso projeto abarca modelos de negócios que contemplem isso enquanto promove iniciativas sustentáveis para todos”, concluiu Brito.

Imagem de Mateus Badra
Mateus Badra
Jornalista graduado pela PUC-Campinas. Atuou como produtor, repórter e apresentador na TV Bandeirantes e no Metro Jornal. Acompanha o setor elétrico brasileiro desde 2020.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias Relacionadas

Receba as últimas notícias

Assine nosso boletim informativo semanal