9 de dezembro de 2023
solar
No Brasil Hoje

Potencia GC SolarGC 11,1GW

No Brasil Hoje

Potencia GD SolarGD 24,8GW

Empresa italiana pretende instalar fábrica de painéis para usinas flutuantes em MG

Com a instalação do empreendimento, F2B tem expectativa de gerar até 700 empregos diretos e indiretos

Autor: 12 de setembro de 2023Investimentos e Negócios
4 minutos de leitura
Empresa italiana pretende instalar fábrica de painéis para usinas flutuantes em MG

Reunião do Governo de Minas Gerais realizada na Itália. Foto: Aluísio Eduardo / Imprensa MG

A comitiva do Governo de Minas Gerais em missão oficial na Itália se reuniu, nesta segunda-feira (11), com duas empresas com intenções de investimento no estado. Se concretizados, os aportes podem contribuir para a criação de mais de mil postos de trabalho.

Uma das companhias que pretendem investir é a italiana F2B, que demonstrou interesse em instalar uma fábrica de painéis solares para usinas flutuantes. O grupo, que é de Ímola, na Itália, já atua no estado desde 2021, e tem unidades em Grão Mogol, no Norte de Minas, e também em Itamonte, no Sul do estado.

Com a instalação da fábrica, a F2B tem a expectativa de gerar até 700 empregos diretos e indiretos ao longo de toda cadeia, da produção à instalação. Orestes Gonçalo Júnior, representante da empresa, disse que companhias mineiras já o procuraram interessadas em adquirir o produto.

“Já temos algumas indústrias agrícolas de Unaí que nos procuraram para instalar uma usina solar flutuante em seus açudes de irrigação. Portanto, há um crescimento muito grande que deve se ampliar nos próximos anos, principalmente em função de que a solar é uma energia que você pode levar para qualquer local”, destacou.

“Com a instalação da fábrica, a gente deve atrair aproximadamente mais 80 empregados. Mas, com a área de instalação, podemos chegar a 700 empregos, pois nossa ideia é treinar os profissionais em todo o estado”, explicou.

Prysmian Group

Outra empresa que visa investir em Minas é a italiana Prysmian Group, especializada na fabricação de cabos e sistemas para energia e telecomunicações. A companhia já tem confirmada uma expansão de sua unidade em Poços de Caldas, prestes a ser inaugurada. Com isso, chegará a 600 funcionários trabalhando no local.

João Carro Aderaldo, CCO de negócios da Prysmian, explicou que já investem no estado e possuem a intenção de ampliar essa relação. “Nossos aportes no estado já superam os R$ 120 milhões nos últimos anos, na unidade de Poços de Caldas”.

“Neste ano, só em Minas Gerais, já foram quase R$ 30 milhões, sendo o principal investimento na linha de produção de cabos isolados de 138 mil volts, que vai ser a única planta no Brasil com capacidade de produzir esse tipo de cabo, e uma das poucas na América do Sul”, contou.

A empresa ainda conta com a expectativa de investir mais em ampliações, devido ao aporte de R$ 42,2 bilhões da Cemig, até 2027, na modernização e ampliação da rede elétrica do estado.

Reynaldo Passanezi, presidente da Cemig, disse que, com esse investimento, a companhia pode ser indutora do desenvolvimento de Minas. “A Cemig tem muito orgulho de dizer que está realizando o maior programa de investimentos da história da empresa, quem sabe um dos maiores do setor elétrico brasileiro em infraestrutura”.

“Isso vai gerar muita oportunidade. Nós vamos construir 30 mil quilômetros de rede trifásica, o que representa 100 mil quilômetros de cabos. Além disso, estamos instalando 1,5 milhão de medidores inteligentes e 450 mil postes. Tudo isso representa oportunidades para quem quer vir produzir em Minas. Esse é o propósito da Cemig”, afirmou.

Importância dos aportes para MG

Para o governador Romeu Zema, a atração de novas tecnologias na área energética, por exemplo, poderá reforçar o crescimento de Minas na posição de destaque que já ocupa nacionalmente.

“Temos uma empresa que vai ampliar a sua capacidade produtiva levando uma nova tecnologia para o Brasil, que é o encapamento dos cabos de alta tensão com uma resina, fazendo com que eles fiquem mais eficientes e possam transportar mais energia”, comentou.

“Em relação aos painéis flutuadores, vale lembrar que, com essa produção, Minas passa a ser também o estado que vai atender à demanda por esse equipamento em todo o país. Desta forma, todos estão ganhando, principalmente os mineiros”, enfatizou.

Mateus Badra

Mateus Badra

Jornalista graduado pela PUC-Campinas. Atuou como produtor, repórter e apresentador na TV Bandeirantes e no Metro Jornal. Acompanha o setor elétrico brasileiro desde 2020.

Comentar

*Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Canal Solar.
É proibida a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes e direitos de terceiros.
O Canal Solar reserva-se o direito de vetar comentários preconceituosos, ofensivos, inadequados ou incompatíveis com os assuntos abordados nesta matéria.