14 de abril de 2024
solar
No Brasil Hoje

Potencia GC SolarGC 13,1GW

No Brasil Hoje

Potencia GD SolarGD 28,4GW

Energia elétrica precisará ser debatida na reforma tributária, diz Braga

Setor teme que mudança na tributação aumente a tarifa de energia para os consumidores brasileiros

Autor: 8 de agosto de 2023Setor Elétrico
3 minutos de leitura
Energia elétrica precisará ser debatida na reforma tributária, diz Braga

Senador Eduardo Braga. Foto: Pedro França/ Agência Senado

A tributação referente à energia elétrica deverá ser alvo de discussão durante o processo de aprovação da reforma tributária no Senado Federal, conforme mencionado pelo relator do processo, o senador Eduardo Braga (MDB-AM), durante sua participação no programa Roda Vida, na última segunda-feira (7).

“Tenho conversado com o ministro [de Minas e Energia] Alexandre Silveira e com o próprio presidente Lula sobre o tema, acho que essa questão da energia elétrica e do setor de energia, inclusive de matriz energética, deverá ser pauta de discussão na reforma tributária”, disse o senador.

“Quando vivemos o período de crise hídrica (2021), onde não tínhamos água nos reservatórios, estávamos despachando e contratando termelétricas a qualquer preço, nós vimos o quanto isso custou ao consumidor brasileiro e quanto isso custou para a competitividade da economia brasileira. Se nós estamos falando de uma reforma tributária que pretende estabelecer questões estruturantes e competitivas para a economia, o setor de energia e o setor elétrico precisa ser discutido. Agora eu não posso no início do debate apresentar uma solução, mas acho que energia e o setor elétrico precisam ser debatidos com certeza na reforma tributária”, pontuou.

Aprenda: Curso de tributos sobre consumo e geração de energia elétrica

A Abradee (Associação Brasileira de Distribuidores de Energia Elétrica) defende o reconhecimento da natureza essencial da energia elétrica para a sociedade, reivindicando, assim, uma tributação diferenciada. As empresas distribuidoras acumulam um faturamento anual estimado entre R$ 280 bilhões e R$ 300 bilhões, dos quais cerca de 30% são destinados ao pagamento de tributos.

Em 2021, o STF (Supremo Tribunal Federal) deliberou que a energia elétrica não deve ser tributada de acordo com as categorias de bens supérfluos, como cigarros ou bebidas alcoólicas, determinando que os estados reduzissem a alíquota de 27% para uma média de 18%.

A expectativa do setor elétrico é que o IBS (Imposto Sobre Bens e Serviços) e a CBS (Contribuição sobre Bens e Serviços) não acarretem um aumento na carga tributária sobre a energia elétrica, uma vez que isso poderia resultar em um aumento nas tarifas para os mais de 89 milhões de consumidores brasileiros.

A Câmara dos Deputados aprovou no início de julho a reforma tributária (PEC 45/19), que simplifica impostos sobre o consumo, prevê a criação de fundos para o desenvolvimento regional e para bancar créditos do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) até 2032, e unifica a legislação dos novos tributos.

Segundo a proposta, uma lei complementar criará o IBS, para englobar o ICMS e o ISS; e a CBS para substituir o PIS, o PIS-Importação, a Cofins e a Cofins-Importação.

Wagner Freire

Wagner Freire

Wagner Freire é jornalista graduado pela FMU. Atuou como repórter no Jornal da Energia, Canal Energia e Agência Estado. Cobre o setor elétrico desde 2011. Possui experiência na cobertura de eventos, como leilões de energia, convenções, palestras, feiras, congressos e seminários.

Comentar

*Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Canal Solar.
É proibida a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes e direitos de terceiros.
O Canal Solar reserva-se o direito de vetar comentários preconceituosos, ofensivos, inadequados ou incompatíveis com os assuntos abordados nesta matéria.