29 de janeiro de 2022
solar
No Brasil Hoje

Potencia GC SolarGC 4.63GW

No Brasil Hoje

Potencia GD SolarGD 8,84GW

Isenção de ICMS na geração distribuída no Rio de Janeiro

Este artigo contou com a contribuição de Einar Tribuci, diretor tributário da ABGD

Autor: 2 de julho de 2020outubro 23rd, 2020Artigos técnicos
Isenção de ICMS na geração distribuída no Rio de Janeiro

Isenção de ICMS na geração distribuída no Rio de Janeiro

No dia 1º de julho foi publicada, no estado do Rio de Janeiro, a Lei n.º 8.922/2020, que concedeu isenção do ICMS para geração distribuída até 5 MW, geração compartilhada e empreendimentos de múltiplas unidades consumidoras, assim como fez o estado de Minas Gerais, por meio da Lei n.º 22.549/2017.

De acordo com art. 155, § 2º, XII, “g” da Constituição Federal, compete à lei complementar regular a forma como, mediante deliberação dos estados e do Distrito Federal, isenções, incentivos e benefícios fiscais serão concedidos e revogados no âmbito do ICMS.

E foi através da Lei Complementar n.º 24/75 que esse tema restou disciplinado, de modo que as referidas isenções, incentivos e benefícios fiscais devem ser instituídos através de convênios celebrados e ratificados pelos estados e pelo Distrito Federal.

Em relação à isenção aplicável ao setor de geração distribuída, esta encontra-se regulada pelo Convênio ICMS 16, de 22/4/2015, que autoriza a todas unidades federadas a conceder isenção sobre o montante de energia injetada para os participantes do sistema de compensação de energia elétrica, para micro e minigeração distribuída, desde que limitadas a 1 MW.

Assim, observa-se que o benefício concedido pelo estado do Rio de Janeiro com a nova norma, ultrapassa os alcances do Convênio ICMS 16/2015, e gera dúvida se para sua validade deve ou não ser aprovado no âmbito do CONFAZ (Conselho Nacional de Política Fazendária).

Em 2017, duas importantes normas foram publicadas, que visam evitar a guerra fiscal entre os estados, são elas: a Lei Complementar n.º 160/2017 e o Convênio ICMS 190/2017.

Em breve resumo, as referidas normas trouxeram limite temporal para que benefícios fiscais fossem concedidos, incluindo a sua submissão à análise e transparência perante o CONFAZ, para sua validade, entre outras disposições.

Além disso, elas estabelecem que os estados e o Distrito Federal podem conceder benefícios fiscais (concedidos ou prorrogados por outra unidade federada), desde que sua adesão fosse realizada até o dia 31 de março de 2020, ou em caso de perda desse prazo, através de registro e autorização do CONFAZ, observado o quórum de maioria simples.

Assim, pela regra vigente, a Lei sancionada no estado do Rio de Janeiro deverá ser ainda submetida ao CONFAZ.

Mas, é importante informar que o benefício fiscal, ora concedido pela Lei 8.922/2020, diminui a arrecadação apenas ao próprio Rio de Janeiro, não cabendo aqui eventuais glosas de crédito por outros estados, justamente em virtude de seu caráter prático, mas ainda sim, cabendo algumas sanções ao estado que venha a conceder benefícios em desacordo com as normas citadas anteriormente.


Marina Meyer

Marina Meyer

Diretora Jurídica do INEL (Instituto Nacional de Energia Limpa). Advogada especialista em Direito de Energia. Presidente da Comissão de Geração Distribuída da OAB de Minas Gerais. Diretora Jurídica da EGS – Energy Global Solution. Autora de três livros em Direito de Energia. MBA em Direito Empresarial pela Fundação Getúlio Vargas. Pós-graduada em Gestão Ambiental pelo Instituto de Educação Tecnológica - IETEC. Membro da Comissão de Energia da OAB- MG. Membro da Câmara de Energia, Petróleo e Gás da FIEMG (Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais). Ex-Superintendente de Política Energética do Estado de Minas Gerais (2009 a 2014). Ex-conselheira do COPAM (Conselho de Política Ambiental) do Estado de Minas Gerais (2009 a 2014).

Comentar

*Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Canal Solar.
É proibida a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes e direitos de terceiros.
O Canal Solar reserva-se o direito de vetar comentários ofensivos, inadequados ou incompatíveis com os assuntos abordados nesta matéria.