27 de maio de 2022
solar
No Brasil Hoje

Potencia GC SolarGC 5.02GW

No Brasil Hoje

Potencia GD SolarGD 10,7W

PL 5829 é colocado em pauta de votação na Câmara dos Deputados

Projeto de Lei deve ser votado pelos parlamentares na tarde de amanhã (20)

Autor: 19 de abril de 2021Brasil
PL 5829 é colocado em pauta de votação na Câmara dos Deputados

O PL 5829 (Projeto de Lei n.º 5829/2019) deve ser votado nesta terça-feira, a partir das 15h, em sessão extraordinária na Câmara dos Deputados. A agenda da pauta da sessão foi divulgada no começo da tarde desta segunda-feira (19).

A proposta, que visa a criação do Marco Legal da GD (geração distribuída), é de autoria do deputado Silas Câmara (Republicanos-AM) e tem como relator o deputado Lafayette Andrada (Republicanos/MG).

Para Hewerton Martins, o momento é de união do setor em prol da aprovação da proposta. “A votação será em Plenário e será feita pelos líderes de bancada e líderes de partido. Então, temos uma missão muito importante, de nos mobilizarmos fazendo posts nas redes sociais dos líderes. Nós, da sociedade civil organizada, podemos influenciar para que amanhã não saia da pauta novamente a votação. Então, para que isso aconteça, poste agora”, convocou.

O texto substitutivo apresentado por Lafayette tem motivado diversos debates sobre o tema, com a realização de webinários e pesquisas. Segundo nota divulgada pela assessoria do parlamentar no começo de abril, há uma grande pressão para que a votação da proposta ocorra. Na avaliação de Lafayette, a aprovação do texto vai “democratizar o uso da energia solar no país”. Além disso, Lafayette destacou, durante o webinário realizado pelo Canal Solar, que o texto é equilibrado e remunera as distribuidoras.

Vale lembrar que o PL já havia sido pautado antes em plenário, mas acabou sendo retirado de pauta por causa da pandemia de Covid-19. Segundo o relator da proposta, é preciso aprovar a regulamentação para a GD pois ainda “falta uma legislação específica” para o setor. 

O texto substitutivo do relator Lafayette tem sido avaliado positivamente por associações e profissionais do setor de GD. A proposta é vista com otimismo e a expectativa é que ela resolva o impasse da falta de uma legislação para o segmento de geração distribuída.

Visando aprimorar o texto apresentado por Lafayette, deputados têm apresentado emendas para serem discutidas durante a votação do PL 5829/19. Entre estas emendas estão a que estabelece a penetração de 10% de GD em geração de energia elétrica na matriz antes de qualquer mudança nas normas e a que pode viabilizar inserção da energia solar nas favelas.

Ericka Araújo

Ericka Araújo

Desde 2020, acompanha o mercado fotovoltaico. Possui experiência em produção de podcast, programas de entrevistas e elaboração de matérias jornalísticas. Em 2019, recebeu o Prêmio Jornalista Tropical 2019 pela SBMT (Sociedade Brasileira de Medicina Tropical) e o Prêmio FEAC de Jornalismo. Já atuou como repórter e apresentadora da Rádio Brasil Campinas. Formada pela PUC Campinas.

4 comentários

  • Roberto disse:

    Inacreditavel a politicagem que impede o avanço no setor tao importante.
    Nos pedem agora pra economizar energia e agua ,no entanto na contra mao da massificassao da energia solar ,é de chorar mesmo .
    O governo nao tem recursos pra montar usinas limpas (solares e aeolicas) e ainda quer dificultar os investimentos na area pelo povo.

  • Ana Paula de Melo amaral disse:

    Não e justo comprar um sistema de geração de energia solar com impostos altos e depois ter quer ser taxado para consumir a energia que vc gerou

  • Suseli R C Rodrigues disse:

    Enquanto o mundo clama por sustentabilidade, alguns políticos clamam por taxar o Sol ☀️
    Investimos no equipamento e pagamos a taxa para a concessionária por usar a rede, portanto não tem sentido o discurso de que o pobre está pagando a conta para os ricos se beneficiarem!!

  • Raimundo Santana disse:

    Já vou enviar pro meu deputado. Otto filho.

Comentar

*Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Canal Solar.
É proibida a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes e direitos de terceiros.
O Canal Solar reserva-se o direito de vetar comentários preconceituosos, ofensivos, inadequados ou incompatíveis com os assuntos abordados nesta matéria.